quarta-feira, 22 de março de 2017

Dois livros sobre vida no campo

Há tempos quero recomendar dois livrinhos incríveis e complementares, que tanto meninos quanto meninas irão gostar, desde os cinco, seis anos de idade, até os dez, onze.

Um deles já recomendei em outras ocasiões, mas sem maiores explicações: trata-se do clássico norte-americano O jovem fazendeiro, de Laura Ingalls Wilder. Neste livreto, ainda mais divertido que o primeiro da série - Uma casa na floresta - Laura narra a infância do marido, Almanzo Wilder, numa época já um pouco afastada da nossa. A história desenvolve-se ao longo de um ano na vida de Almanzo, que contava, então, nove anos de idade. Escola, brincadeiras, roupas, comidas, animais, fé e trabalho, muito trabalho, retratam o dia a dia do menino.

Àquelas famílias que precisam enriquecer o imaginário infantil com bons exemplos, Almanzo Wilder e seus irmãos Royal, Eliza Jane e Alice são um prato cheio. Confiram este trecho:

O pai estava um pouco adiante, na rua, conversando com o Sr. Paddock, o fabricante de carroças. Almanzo caminhou lentamente em direção a eles. Estava amedrontado, mas tinha de ir. Quanto mais se aproximava do pai, mais medo tinha de pedir um níquel. Nunca havia pensado em semelhante coisa. Estava certo que o pai não lhe daria.
Esperou até que o pai parasse de falar e olhasse para ele.
- O que houve, filho? - perguntou o pai.
Almanzo estava assustado.
- Pai... - disse ele.
- Sim, meu filho?
- Pai - disse Almanzo -, o senhor quer me dar... quer me dar... um níquel?
Ficou ali enquanto o pai e o Sr. Paddock olhavam para ele e teve vontade de desaparecer. Finalmente o pai perguntou:
- Para quê?
Almanzo olhou para seus mocassins e murmurou:
- Frank tinha um níquel. Comprou limonada vermelha.
- Bem - disse o pai lentamente -, se Frank o convidou, está certo que você também o convide.
O pai enfiou a mão no bolso. Então parou e perguntou:
- Frank lhe ofereceu limonada?
Almanzo queria tanto ganhar o níquel que fez um aceno afirmativo. Depois estremeceu e disse:
- Não, pai.
O pai olhou-o por um longo tempo. Depois tirou a carteira, abriu-a e, lentamente, tirou um meio dólar de prata, grande e redondo. Perguntou:
- Almanzo, sabe o que é isto?
- Meio dólar - respondeu Almanzo.
- Sim. Mas você sabe o que é meio dólar?
Almanzo só sabia que era meio dólar.
- É trabalho, filho - disse o pai. - É isso que o dinheiro é; trabalho duro.
[...]
O pai perguntou:
- Sabe cultivar batatas, Almanzo?
- Sim - respondeu Almanzo.
- Diga: você tem uma semente de batata na primavera, o que faz com ela?
- Corto-a - respondeu Almanzo.
- Continue, filho.
- Primeiro gradamos... depois adubamos o campo e em seguida o aramos. Depois gradamos e marcamos o terreno. Plantamos as batatas, aramos e capinamos. Aramos e capinamos duas vezes.
- Está certo, filho. E depois?
- Depois as colhemos e guardamos na adega.
- Sim. Depois as selecionamos durante todo o inverno; jogamos fora toda as pequenas e as podres. Quando chega a primavera, carregamos a carroça de batatas e as levamos a Malone, onde as vendemos. E, se conseguimos um bom preço, filho, quanto recebemos por todo esse trabalho? Quanto recebemos por meio bushel de batatas?
- Meio dólar - disse Almanzo.
- Sim - confirmou o pai. - É isso que está neste meio dólar, Almanzo. O trabalho que foi necessário para obter meio bushel de batatas está aqui nele.
[...]
- É seu - disse o pai. - Pode comprar um leitãozinho com ele, se quiser. Pode criá-lo e ele lhe dará uma ninhada de porquinhos que valerão quatro, cinco dólares por cabeça. Ou você pode trocar esse meio dólar por limonada e bebê-la. Faça o que quiser, o dinheiro é seu.
[...]
Os meninos só acreditaram depois que ele mostrou a moeda. Então se agruparam à sua volta, esperando que ele a gastasse. Mostrou-a a todos, depois tornou a guardá-la no bolso.
- Vou dar uma volta por aí - disse ele - e comprar um bom leitãozinho.

O segundo livro que desejo recomendar é inédito, isto é, jamais falei dele em lugar algum. Trata-se de uma gratíssima surpresa presenteada já há algum tempo por minha sogra: o Dicionário por imagens da fazenda. O livrinho é a tradução de um volume de uma pequena coleção francesa, o que explica sua completude e excelente qualidade. Nele não são mencionados apenas os elementos tradicionais que compõem uma fazenda, mas diferentes tipos de fazendas são aprensentados, de várias regiões do mundo, revelando suas belezas e peculiaridades. Além disso, há páginas dedicadas às diversas produções de alimentos, como o pão, o leite e derivados. As ilustrações são excelentes, bem realistas, e os textos são claros.

Infelizmente, parece que o livrinho sumiu das prateleiras, mas outros exemplares da mesma coleção ainda podem ser encontrados, como o Dicionário por imagens do mar e o Dicionário por imagens da Bíblia, que eu não conheço pessoalmente, mas que, se forem bons como o da fazenda, valem a pena.

Enfim, quem precisar de recursos para estimular nas crianças o desenvolvimento de virtudes como a paciência, o empenho, o respeito, a perseverança, aí estão algumas sugestões.

sexta-feira, 10 de março de 2017

De Camões a Ovídio

Na última segunda-feira retomamos oficialmente os estudos. Desta vez, após dois anos trabalhando Os Lusíadas com a Chloe, resolvemos deixá-lo de lado, adotando o Metamorfoses.

E por que deixamos Camões de lado? Primeiro, porque Chloe pediu. Nada contra o texto, nada contra o estilo, nada contra o autor, apenas uma necessidade tipicamente sanguínea de variar e conhecer algo diferente. E considerando que já tínhamos vencido boa parte do texto e das dificuldades por ele apresentadas, não vimos razão para não atender o seu pedido. Segundo, porque queríamos dar um passo além, aumentando a dificuldade das atividades, o que pareceu vir a calhar com a escolha de uma nova obra.

Nestes dois anos fomos até o Canto V, enfatizando fundamentalmente os níveis mais elementares do texto, isto é, a prosódia e a compreensão textual. Trocando em miúdos, lemos muito em voz alta, procurando a melhor pronúncia das palavras bem como o respeito às rimas, explicamos oralmente, copiamos, e fizemos muitas pesquisas junto aos dicionários de língua portuguesa e de mitologia. Eventualmente, quando os versos assim permitiam, fizemos também algumas pesquisas sobre história e geografia. Enfim, nada muito inovador, moderno ou diversificado. O resultado foi um espetacular incremento no vocabulário e uma maior facilidade para compreender textos poéticos e que possuem construções frasais incomuns, diferentes das que usamos ordinariamente.

Quanto às demais materias, vimos um pouco de latim, inglês, história, geografia, ciências, matemática e artes. No entanto, nosso foco é literatura, pois sem ela, sem o domínio da língua mãe em suas formas mais elaboradas, todo o resto não só é prejudicado como, em alguns casos, torna-se inviável.

Hoje encerramos a primeira semana de aulas na companhia das Metamorfoses e estou bastante satisfeita com os resultados até aqui obtidos. Uma das dificuldades acrescidas foi a elaboração de uma paráfrase do trecho estudado no dia. Chloe rapidamente percebeu que enquanto a explicação oral permite uma certa margem de imprecisão e até de incompreensão do texto, a paráfrase não o permite, pois exige uma compreensão completa, plena daquilo que foi lido. Em outras palavras, estamos, aos poucos transitando de uma etapa onde a absorção era o foco para uma etapa em que algo daquilo que foi absorvido precisa ser processado e exposto. E estamos contentes e confiantes. :)