terça-feira, 15 de agosto de 2017

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto da vontade de Deus. Sim, bem assim mesmo, bem "medieval" mesmo - como adoram xingar os modernosos, e como se isso fosse de fato um xingamento. Não achamos que a vida é um mero fato biológico, fruto da combinação de óvulo e espermatozóide pura e simplesmente. Admitir algo assim seria assumir uma visão mecanicista da criação, onde Deus teria apertado um botão de "start" lá no início dos tempos e depois largado tudo, deixando por nossa conta e risco todo o resto. Não pensamos assim.

Sabemos que Deus vive e age hoje, agora, neste instante e em todos os demais, em todos os lugares; acreditamos que se Ele não disser "faça-se a luz!", vida alguma surge e se mantém, por mais jovem, saudável e fértil que se possa ser - quem não conhece pessoas que, mesmo sem problema orgânico algum, não conseguem engravidar? E quem não conhece ao menos um caso de vida que surgiu de quem menos se achava possível? - Sei que isso soa estranho - às vezes apavorante -, até mesmo entre cristãos, mas ou Deus governa nossas vidas por completo, incluindo nossos bolsos e corpos, ou lançamos mão de qualquer desculpa para nos considerarmos muito maduros e responsáveis, fugindo da plena entrega e confiança para a qual Ele não cessa de nos chamar.

Aos que repetem o chavão "botar filho no mundo é fácil; quero ver criá-los", afirmo: de fato, seríamos os mais levianos e sem-vergonhas se, invocando a Deus sobre a geração de nossos filhos, não O invocássemos também para que nos desse todo amor, sabedoria e condições para bem criá-los. Abrir-se a receber todos os filhos que Ele nos enviar não é uma disposição satisfeita quando abrimos mão do anticoncepcional, da camisinha ou do MOB, deitamos, amamos e levantamos da cama: ali é só o começo de tudo, o início de uma jornada de santificação que deve conduzir à eternidade. Assim, acreditamos que a abertura à vida só é real quando nos dispomos a confiar o tanto que Ele espera que confiemos; só é real quando nos dispomos a servir o tanto que Ele deseja que sirvamos; só é real quando nos dispomos a morrer para nós mesmos o tanto que Ele deseja que nós morramos; e tais medidas só quem as sabe é Ele, não nós. 

 
Será que realmente acreditamos em Jesus quando disse que nem sequer um mísero fio de cabelo cai da nossa cabeça sem que Deus o saiba e permita? Se Ele é capaz de conhecer e zelar por coisa tão indiferente como um fio de cabelo, não o seria ainda muito mais pelas vidas que sopra nos ventres maternos e pelas nossas próprias vidas? Senhor, aumenta nossa fé!

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Há 150 anos nascia a "Espalha brasas"



Neste ano comemora-se os 150 anos de nascimento de Laura Ingalls Wilder - que era carinhosamente chamada por seu pai de "Meia canequinha de sidra doce meio bebida", "Canarinho" ou "Espalha brasas" -, uma das nossas escritoras favoritas e mais constantemente lidas aqui em casa - juntamente com a Condessa de Ségur e Monteiro Lobato. 

Conhecida principalmente graças à série de TV inspirada em seus livros - "Os pioneiros" -, os nove pequenos volumes que narram desde a sua infância, passando pela adolescência, chegando até aos quatro primeiros anos de casada, relatam a maravilhosa e empolgante vida perfeitamente... normal. Sim, eu sei que soa esquisito colocar as coisas desse modo, mas, de fato, o mais incrível nas obras de Wilder é sua a capacidade de nos reconectar com a realidade e com um tempo - não tão distante do nosso - em que a cultura popular era fruto de herança e promotora da saúde dos povos - e não de engenharia social para a nossa destruição.

Nas obras de Laura, somos levados de volta à época da expansão dos Estados Unidos a oeste, já então não mais uma colônia inglesa, mas uma república independente. Em tais livros, mudam-se os locais, pois a família emigra diversas vezes; mudam-se algumas personagens, pois eles afastam-se de parentes e conquistam novos amigos; mudam-se os desafios, por vezes lutando contra nevascas, contra doenças, contra índios e contra furacões; mas há coisas que jamais mudam: a simplicidade da vida, a união familiar, o trabalho duro e o sacrifício constante uns pelos outros.

Assim, é neste sentido que digo que as obras de Wilder nos reconectam à realidade, porque nos permitem vislumbrar uma vida erguida e mantida graças aos esforços dos próprios braços: uma vida muito prática, sem desculpas, sem omissões, sem desistências, sem ressentimentos e sem as facilidades tecnológicas que tanto nos afastam do contato direto com nosso entorno - nos alienando - quanto nos fazem perder a força e o vigor físico e moral.

Costumo dizer que a boa literatura é curativa, pois nos liberta de uma porção de doenças espirituais. E este é precisamente o caso dos livros de Laura Ingalls Wilder, os quais, embora sejam infanto-juvenis, podem ser lidos com grande proveito também por nós, adultos. Ao nos descortinar uma época em que o estilo de vida das pessoas era muito mais simples, modesto e trabalhoso, Laura, provavelmente sem o querer, nos mostra como a "praticidade" moderna termina por nos apalermar e como dela precisamos bem menos do que imaginamos. 

Enfim, deixo aqui minhas palavras de incentivo a você que ainda não conhece esses livros (e o link para o primeiro deles), bem como minha gratidão ao testemunho de vida de Laura.

O caminho das pedras

Àqueles que acabaram de chegar aqui vindos do e-book da Gazeta do Povo, um aviso importante: este nosso humilde blog, embora conte já com mais de quatro anos de publicações, não se presta exatamente ao propósito de guia aos interessados em homeschooling. Aqui, o que vocês encontrarão é algo muito mais próximo de um diário do que qualquer outra coisa, de modo que a utilidade do espaço está em conhecer um pouco sobre a rotina de uma família homeschooler.

Contudo, para não deixar a ver navios quem se interessa de fato sobre o assunto e cogita praticar o homeschool com os próprios filhos, deixo aqui uma sugestão bem mais oportuna: o nosso curso Homeschooling 1.0. Lá encontra-se toda a base para quem realmente quer botar a mão na massa, com aulas específicas sobre questões jurídicas, pedagógicas, metodológicas, históricas, psicológicas, sugestões de materiais e muito mais. Clique no link e confira!