terça-feira, 27 de setembro de 2016

Um novo assunto: História da Arte!

Acho que as duas disciplinas escolares que mais amo são História e Arte. Como esse meu interesse deve ter algum componente genético (ou não :) ), tanto a Chloe quanto o Bibi também nasceram gostando dos dois assuntos. Apesar disso, o que não tinha me ocorrido até o momento era tentar uni-las e trabalhá-las conjuntamente, partindo da perspectiva da arte e expandindo para diferentes aspectos do período histórico abordado.

Assim, há dias vinha pesquisando e reunindo materiais: sites, livros, vídeos... Comecei pelo que já conhecia, o Timetables of history (que já indiquei aqui no blog tempos atrás) e o apaixonante Heilbrunn Timeline of Art History (o site do Metropolitam Museum of Art, de Nova York). Mas a dificuldade sobre como apresentar os conteúdos de uma forma interessante -- e não infantilóide -- continuava. Cheguei, então, graças a um desabafo no facebook, aos excelentes livros History of Art, de Élie Faure, e História da Arte de Ernst Gombrich. Bons para mim, de fato... mas ainda não para eles.

Dias depois, recebi por mensagem o link para boa parte das aulas da cadeira de  História da Arte da UNESP. Um achado, sem dúvida, todavia, como eu não queria simplesmente delegar as aulas a um terceiro mas ministrá-las, deixei as aulas da graduação como um complemento, como uma carta na manga em caso de necessidade. E segui na procura.

Por alguma razão qualquer, mais alguns dias depois, puxei um dos volumes do Tesouro da Juventude da estante. Acho que eu estava lendo a parte sobre poesia quando descuidadamente vi "Livro das Belas Artes" no índice, uma das seções da coleção. Conferi os conteúdos referentes ao assunto e... bati o martelo! Sim, a antiga e manchada coleção de 1955 continua sendo um tesouro, de linguajar e conteúdo acessíveis às crianças, mas sem subestimá-las ou empobrecê-las, de maneira que resolvi adotá-la como base para nossas aulas. Além dela, para fins ilustrativos, usarei a linha do tempo do Heilbrunn, e, para os demais assuntos, o Timetables como ponto de partida.

Hoje tivemos nossa primeira aula e como assunto as inscrições deixadas nas cavernas pelos trogloditas da Idade da Pedra. Para melhor ilustrá-la, usei o site Lascaux, que permite um passeio virtual pelo local. As crianças se esbaldaram vendo os cavalos, bisões e veados espalhados pelas paredes.

Por fim, disse à Chloe que separasse uns pedaços de carvão do fogão à lenha para que os usassem para desenhar o muro, criando sua própria Lascaux. O resultado foi modesto, mas divertido.




Espero que os links e referências sirvam de incentivo aos pais que quiserem incrementar suas aulas. ;)

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Quando começar o HS?

Tudo se torna morbidamente mais fácil quando alguém nos diz o que fazer, como fazer e quando fazer. Em termos educacionais, a lei que estabelece a idade obrigatória para o início da frequência à escola faz isso, de modo que poucos questionam a real necessidade de uma criança de quatro anos ficar um turno inteiro (ou até dois) longe da família, cercada de estranhos, "estudando". Sem mencionar todos os pormenores de carga horária, materiais, metodologias "burrocraticamente" fixados, definidos por alguma entidade etérea qualquer.

Nesse contexto, se, por um lado, as políticas educacionais do governo nos oferecem um controle minucioso e uma padronização dos ritmos da vida de nossas crianças, exigindo de nós apenas a adesão automática, por outro, o homeschooling pode parecer um salto em queda-livre e sem paraquedas, dada a grande liberdade que possibilita, não somente com respeito à idade de início dos estudos, mas também com relação aos métodos, materiais, horários etc.

Mas afinal, existe uma idade certa para se começar o homeschooling? Não, rigorosamente falando, não existe. "Oh! Mas como assim?!" Veja, quando eu era criança, a idade indicada em lei era 7 anos. Alguns anos atrás, recuou-se um ano, estabelecendo em 6 a idade correta. Isso tudo não soa um tanto aleatório? Além disso, se considerarmos a vida familiar corriqueira, quando é que um pai passa a ensinar ao filho: Quando senta ao seu lado para explicar-lhe adição ou quando, muito tempo antes, conversa com ele já nos primeiros dias de vida?

Como no homeschool a instrução ocorre no seio do lar, é a familiaridade quem modula os ritmos, independentemente do método adotado. Conheço um menino que aprendeu os números sozinho e aos 2 anos já fazia somas elementares. Conheço um outro menino que só deslanchou na leitura a partir dos 8 anos de idade. A mãe do primeiro deveria ter desviado a atenção que o filho focava sobre os números para algo mais adequado à sua idade? A mãe do segundo deveria ter desistido de estimular o filho e tê-lo entregue às "autoridades" educacionais, isto é, à escola? Não e não. Por certo a mãe do primeiro menino não estruturava aulas como a do segundo, mas isso não significa que não oferecesse a ele o suporte necessário para desenvolver sua aptidão natural, assim como a segunda certamente usufruiu da liberdade que possuía para investir mais tempo na superação das dificuldades do filho.

Acredito que no homeschool os elementos mais importantes são o estar atento às inclinações e interesses da criança, ao seu ritmo, e também o proporcionar a ela os recursos necessários ao seu dessenvolvimento. Assim, pode acontecer de uma família elaborar aulas propriamente ditas desde os 3, 4 anos de idade da criança, assim como pode acontecer de uma outra família começar a fazê-lo somente por volta dos 7 anos (o que não quer dizer que a criança que começa a "ter aulas" com tal idade não tenha aprendido muitas coisas antes disso, ainda que de uma maneira menos "oficial", mais informal). Além disso, em famílias com mais de um filho, quando os mais novos vêem os mais velhos estudando, também querem estudar, o que termina por levá-los à rotina de estudos muito mais cedo e espontaneamente.

Por fim, é importante dizer também que, com o passar do tempo, é normal que a rotina das famílias homeschoolers se estruture de maneira mais organizada e fixa, mas isso é o resultado de um arranjo que combina liberdade e circunstância: a liberdade de poder decidir e as demandas da circunstância real em que se vive. No homeschooling não é o governo quem diz o que, como e quando estudar, mas é a família, aqueles que melhor conhecem e que efetivamente zelam pelo desenvolvimento das crianças, quem decide.

PS: Lembrando aos "liberdadefóbicos" que só pratica HS quem realmente está disposto em investir no crescimento dos próprios filhos, uma vez que enviá-los à escola, como disse, é morbidamente mais fácil.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Visita-professora de ciências

Se quando morávamos em Porto Alegre vivíamos fechados em um apartamento e sozinhos a maior parte do tempo, agora, no interior, estamos constantemente recebendo visitas. Até recentemente, no entanto, e por simples descuido meu, não havia percebido a grande oportunidade que é para o aprendizado das crianças que recebamos em nossa casa pessoas com as mais variadas experiências de vida e de formação. Assim, em lugar de interrompermos abruptamente nossos estudos, abrimos parênteses especiais em nossa rotina para aprendermos algo novo.

Foi deste modo que, dias atrás, ao saber do desejo de uma amiga de vir estar conosco, resolvi pedir-lhe que reservasse um pouquinho do seu tempo entre nós para ministrar uma pequena aula às crianças. Tarsila está na reta final do curso de medicina e, para felicidade nossa, tem prazer em transmitir o que sabe. Por outro lado, como a disciplina de ciências não é uma prioridade (até o momento) para nós, os conhecimentos dela viriam a suprir uma lacuna em nossos estudos -- embora tenhamos vários livros de ciências à disposição das crianças, não estudamos efetivamente o assunto.

Com o auxílio da Enciclopédia Barsa, que tem páginas excelentes sobre o corpo humano, as crianças tiveram uma pequena introdução à anatomia e à fisiologia. Além do caminhão de perguntas totalmente aleatórias que despejaram (e para as quais obtiveram todas as respostas), Chloe e Bibi aprenderam sobre o sistema circulatório, sobre o sistema respiratório, sobre o sistema digestivo e mais algumas outras coisas que devo ter esquecido.

Apesar da brevidade e do constante pipocar de perguntas incontroláveis, o tempo de aula foi excelente para todos nós. Muito obrigada, tia Tarsila!


Se sua família é homeschooler, incentivo você a fazer o mesmo. Aproveite cada visita para incrementar ainda mais os conhecimentos das crianças. ;)