Pular para o conteúdo principal

Razões para o homeschooling

Cada família homeschooler costuma ter um motivo principal para justificar a retirada das crianças da escola. A este motivo aliam-se outros, menores, que o reforçam. Listo aqui algumas das muitas razões mencionadas pelos pais para tirarem seus filhos da escola e seguirem pelo caminho do homeschooling com o propósito de auxiliar na reflexão daqueles que se encontram diante desse dilema e precisam de um pouco de objetividade para melhor decidir.



Motivos principais:

1. Péssima qualidade.
50% de analfabetos funcionais nas universidades e penúltimo lugar entre os 36 países listados pela OCDE demonstram com uma clareza inegável o fato de que as coisas estão muito, muito erradas por aqui, pouco importando a diferenciação entre escolas públicas e privadas.

2. Doutrinação ideológica.
Professores convertidos em doutrinadores e sala de aula transformada em palanque, gerando legiões de "cidadãos críticos" que não passam de meros militantes, incapazes de redigir um texto, realizar cálculos simples e citar os estados e respectivas capitais do país.

3. Desrespeito aos valores judaico-cristãos.
Em nome do respeito à diversidade, ensina-se e exalta-se toda e qualquer coisa, desde que ela não seja parte da tradição judaico-cristã. Ou, na melhor das hipóteses, coloca-se tudo no mesmo nível, pouco importando se isso contraria frontalmente a identidade confessional de escolas e alunos.

4. Hipersexualização.
A ideologia de gênero, igualmente mal disfarçada sob o pretexto do respeito à diversidade, violenta a inocência das crianças, expondo-as precocemente a assuntos com os quais não possuem maturidade psicológica para lidar ou que são apresentados de maneira tendenciosa, passando por cima das convicções e da primazia da família no trato de tais assuntos. 



5. Violência.
Detectores de metais, gangues, bondes, drogas, estupros, roubos, professores com medo, bullying...

Motivos secundários:

1. Economia.
Nada de gastos exorbitantes com mensalidades, uniformes, excesso de materiais escolares, transporte, lanches...

2. União familiar.
O maior tempo de convívio promove o fortalecimento dos vínculos entre os membros da família, o que termina por resultar em personalidades e relacionamentos mais seguros, saudáveis e bem entrosados. Em outras palavras, quanto mais família, tanto nuclear quanto estendida, mais sociabilidade.

3. Nada de trânsito.
Sem desperdício de horas e horas ao longo do ano em engarrafamentos, vias obstruídas e/ou perigosas.

4. Flexibilidade.
Como as pessoas são a prioridade e não os ritos burocráticos, a rotina pode ser flexibilizada quando necessário, mudando o horário das aulas, o local, etc.

5. Atenção individualizada.
Auxiliar nas dificuldades específicas de cada criança e estimular os interesses e talentos individuais propicia um desenvolvimento muito maior e mais pleno.

Comentários

  1. Além disso tudo, doenças como: gripes, resfriados, tosse, garganta inflamada eram constantes quando nossa pequena estava na escolinha (quando digo constante falo em semana sim, semana não). Após iniciarmos a ED, isso tudo cessou.
    Penso que essa vantagem possa até vir a ser um motivo secundário para algumas famílias.

    ResponderExcluir
  2. As escolas não são mais para ensinar e tornar as crianças inteligentes. Crianças fora das escolas urgente!Esta insuportável de ver o que estão ensinando e o que ainda querem enfiar na cabeça das crianças.
    Excelente postagem!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.
Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora…