Pular para o conteúdo principal

Heráldica, brasões e armas medievais

Contei, dias atrás, lá no facebook, sobre o inesperado interesse da Chloe pela heráldica -- a arte e ciência dos brasões. Na ocasião até publiquei a foto do brasão que ela fez após pesquisar a respeito, por conta própria, na Barsa (sim, ela mesma, aquela enciclopédia poeirenta que ficava na estante da casa da sua avó e que hoje em dia parece tão obsoleta, mas não é).


Instantes após a publicação do post, uma leitora lá do Espírito Santo entrou em contato comigo para contar-me a respeito do Museu Medieval de Gramado, o Castelo Saint George -- vejam vocês a ironia: uma turista conhece melhor a região do que um morador das redondezas. Na mesma hora fiz uma busca e descobri a página do Castelo. Mostrei ao Gustavo e os apaixonamos imediatamente, combinando de irmos até lá nos dias seguintes, e, claro, sem contarmos nada às crianças para fazermos aquela surpresa.

Poucos dias depois, junto com uma família amiga, fomos até o Castelo. Apesar de pequeno -- será ainda maior, pois continua sendo construído -- há muita coisa para ver. As paredes são cobertas de chifres e cabeças de animais empalhados, brasões tradicionais feitos pelo próprio criador do Museu e imagens medievais pintadas em couro. Além disso, encontram-se expostas réplicas de armas famosas -- há um expositor destinado ao filme Coração Valente (que nada tem a ver com a Dilma, graças a Deus) e outro destinado ao O Senhor dos Anéis. Prosseguindo, há elmos, luvas e armaduras medievais completas, tanto réplicas quanto originais -- realmente assombrosas! -- e muitas, muitas espadas, facas, mosquetes, canivetes, das mais variadas épocas e lugares do mundo. Por fim, o proprietário ainda oferece uma pesquisa gratuita ao sobrenome da família. Descobrimos que há oito variações do Abadie e que todas elas passaram pela França em algum momento, de modo que seria preciso saber de qual região veio a nossa variação para então descobrirmos o brasão oficial. Já sobre o Hochmüller, trata-se de um sobrenome resultante do casamento entre duas famílias germânicas, o Müller, porém, é mais ou menos como o Silva brasileiro, de modo que também precisaríamos rastrear a origem geográfica da família para podermos precisar-lhe o brasão.

Além do Museu propriamente dito, há ainda uma loja com souvenirs e fantasias para alugar. Não preciso falar nas idéias que tive para o Dia de Todos os Santos, né?  :)

Ah, esqueci de mencionar: recentemente encerramos nossos estudos sobre a Idade Média e iniciaremos as pesquisas sobre a Idade Moderna. Acredito que esse tipo de passeio, assim como aquele que relatei sobre A Mina, ajudam a enraizar o conteúdo no coração e na memória das crianças de modo único,  sendo assim, repito mais uma vez o incentivo que já fiz em outras ocasiões: explorem ao máximo os recursos da região em que vocês vivem, para que as histórias ganhem concretude e tornem-se conteúdos inesquecíveis para as crianças.

Deixo abaixo algumas fotos que fiz ao longo do passeio.

Castelo Saint George 


Além de lutar, já imaginaram colocar sobre a cabeça um elmo assim, pesadíssimo?
Uma grávida fotografando as réplicas de cachimbos de "O Senhor dos Anéis".
A pequena e leve espada de William Wallace, o herói escocês retratado em "Coração Valente".
Chloe ao lado de uma armadura leve, de apenas 40kg.
Lembrei-me do tio Rafael Falcón e seu "bode power". :D
Benjamin empolgado explicando o funcionamento de uma balestra ao tio Francis.
Em memória de Jiraya. ;)
Lindas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.
Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora…