Pular para o conteúdo principal

Deus, maternidade e os lobos em notas soltas

Mais alguns posts de facebook que valem o compartilhamento por aqui. ;)

I.
Quando compreendemos com todo o nosso coração que cada filho que nos chega não é o mero resultado da cópula, um produto biológico da mistura de pai e mãe, mas uma criatura trazida à vida exclusivamente por vontade divina, e da qual o aspecto físico é apenas a pequena parcela visível a que temos acesso, paramos de nos preocupar com dinheiro, com parto, com casa, com enxoval, com roupas, com o que quer que seja e abraçamos a vontade de Deus cheios de amor, gratidão e confiança. Sim, não basta que haja material genético, biológico, humano para que a vida se faça: o essencial, isto é, a vida propriamente dita, não vem de nós, mas de Deus. Quando compreendemos isso, percebemos que Ele, e não nós, é o maior interessado e o maior responsável pelo surgimento da nova pessoa que se anuncia, de modo que, se Ele a quer, se Ele a deseja, se Ele a ama com um amor imensurável e enviou o Seu Filho para salvá-la, quem somos nós para nos inquietarmos e nos amedrontarmos diante do que quer que seja? Deus cria, Deus governa, Deus ama. Nós apenas cooperamos, ou não, com o processo.II.
E quando compreendemos isso (que cada filho é fruto da vontade criadora e amorosa do próprio Deus), é inevitável chegarmos à conclusão de que todos, TODOS eles, cada um ao seu modo, são bênçãos com propósitos únicos na história humana, por pequenos ou grandes que sejam. Como não se sentir honrada por poder participar, ainda que de modo pequeno e imperfeito, de tão incomparável empreendimento divino?! Como não se sentir, ao mesmo tempo, pequena, pela quantidade de coisas que independem de nós na criação de um filho, e grande, por participar de algo desejado pelo Rei do universo?! O que são as dificuldades dessa vida diante disso?! O que é o sono, a fome, o cansaço, a dor temporários diante da chance de tornar-se a matriz terrestre de almas eternas, ajudando-as a crescer e sendo por elas ajudado a vencer-se?! Nada. Nada. Nada. E mais(!): como cogitar restringir o número daqueles com que Deus sonha desde sempre?! Esta, penso eu, é a última fronteira para a fé da mulher contemporânea, a verdadeira entrega irrestrita nos braços de Deus.III.
Não nos admiremos nem nos amedrontemos quando nos encontrarmos diante de um padre, monge, bispo, frei ou pastor que nos censurar por cuidarmos de nossa família e por sermos mães de muitos filhos em lugar de "construirmos uma carreira promissora", sobretudo se contarmos com a total anuência de nosso marido. Judas Iscariotes não estava, afinal, entre os doze discípulos de Jesus? Em outras palavras, não devemos nos surpreender ao encontrar homens ímpios entre os líderes da Igreja. Rezemos por eles, para que se convertam enquanto ainda têm tempo, pois eles realmente precisam, e prossigamos em paz, certas de que antes de agradar ao mundo e as suas modas, é preferível agradar a Deus.

Comentários

  1. Difícil dizer o quão maravilhoso é ler estas palavras! :)

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Camila! Me emocionei muito com um vídeo teu sobre homeschooling na confraria de artes liberais. A tentação de colocar a carreira profissional e acadêmica acima de tudo é grande! Mas conhecer mulheres como você me inspira a retornar, dia após dia, ao propósito eterno do meu Criador. Deus os abençoe!

    ResponderExcluir
  3. Camila desde ontem estou passeando pelo seu blog e admirada e inspirada por tudo que tens escrito. Sou católica, mãe de 4 filhos lindos enviados por Deus. Suas palavras caíram como acalento em meu coração, pois, hoje mesmo em uma recaída estava pensando se não deveria voltar ao trabalho, pois, fazem 3 anos que abri mãe dele para ser mãe em tempo integral. Obrigada por dividir conosco sua linda jornada nesse mundo. Que Deus os abençoe.

    ResponderExcluir
  4. EXCELENTE TEXTO!
    Embora o mundo não nos compreenda, ter filhos é ter a honra participar, "ainda que de modo pequeno e imperfeito" da criação. Muito obrigado pelas tuas palavras que conseguem traduzir o que pensam aqueles que ainda acreditam na importância da família numerosa, se for a vontade de Deus.
    Este texto me fez lembrar as palavras de S. Josemaria Escrivá:
    "Medo aos filhos? Não! Deveis ter muito amor de Deus, e muito agradecimento quando Ele vos manda essas criaturas. Tantas vezes quantas venha uma criança à vossa família, outras tantas há uma prova de confiança do Senhor. (...) Meus filhos que estais unidos pelo Sacramento do Matrimônio, querei-vos de verdade, com todas as suas consequências; estais tranquilos, serenos, dispostos a todos os sacrifícios, que além disso se converterão em alegrias, porque não vos faltará ajuda do Senhor para levar para frente a vossa família.”
    Participar da criação é "prova de confiança do Senhor". Que saibamos honrar esta confiança firmes na fé de que não nos faltará auxílio do céu para guiarmos nossas famílias.
    Mais uma vez, parabéns pelo belo e oportuno texto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.
Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora…