Pular para o conteúdo principal

História da arte


Recentemente ganhamos um livro lindo abrangendo alguns séculos da história da arte. Por conta disso resolvi fazer um post reunindo todo o material que conheço a respeito.

O primeiro livro sobre arte da Chloe foi o "Penélope vai ao Louvre", um livro voltado para crianças pequenas, em pop-up e apresentando alguns dos quadros, esculturas e objetos da Antiguidade mais famosos que estão presentes no Museu do Louvre, na França.

O segundo livro que adquirimos chama-se "História da arte para crianças", de Lenita Miranda de Figueiredo e foi comprado no site Estante Virtual pois é um livro de 1984 e não conta com novas edições. Não conheço outro material semelhante de origem brasileira: nele, "tia Lenita" (como a autora gosta de ser chamada) conta a história de dois sobrinhos que começam a despertar o interesse para a arte na casa do tio. Tia Lenita aborda desde a pré-história até as escolas contemporâneas do início do século XX.

(Atualização: Há, sim, novas edições do livro "História da arte para crianças". Uma leitora atenta fez o favor de advertir-me. Confiram aqui a edição mais recente.)

Nossa terceira compra resumiu-se a apenas dois volumes da Coleção Metropolitan - o que faz de um mestre um mestre?, publicados pela Cosac & Naif: "O que faz de um Bruegel um Bruegel?" e "O que faz de um Rafael um Rafael?". A coleção abrange vários outros autores, no entanto, quando adquirimos os livros em uma promoção os demais já estavam esgotados. Além disso, fiquei com a impressão de que o autor que comenta a obra do Bruegel tinha preferências modernistas.

Por último chega o livro que mencionei inicialmente, aquele que ganhamos dias atrás: "Vidas dos grandes artistas", de Charlie Ayres, pseudônimo de Charlotte Mullins. A obra procura dar um tom mais próximo às vidas dos expoentes da história da arte e é estruturado seguindo uma linha do tempo que vai de Giotto (século XIII) até Van Gogh, deixando de fora os chatos e feios contemporâneos (me julguem). :D

Além dos livros, também gostamos muito das seguintes páginas: Children in Art History, no facebook, e o Heilbrunn Timeline of Art History (eu já disse que amo timelines?), o site mais completo que já vi em minha vida a respeito deste assunto, oferecendo, inclusive, uma descrição do contexto histórico em que as obras foram produzidas.


É claro que existem muito, muito mais obras e de qualidade disponíveis no mercado editorial brasileiro. Aqui, quis apenas dar uma ideia do que as minhas crianças têm. Por último, ao selecionar outras obras, vale a pena observar o tipo de abordagem dada pelo autor: se é uma abordagem que descreve as diferentes escolas, obras e autores de maneira tradicional, sem partidarismos, ou se é uma obra "crítica", isto é, de viés esquerdista, que considera as mais belas obras da história humana como produtos de uma elite opressora e as produções de negros escravos, índios e os lixos das Bienais e da street art como o máximo de beleza universal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.
Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora…