Pular para o conteúdo principal

Seja homem - nosso novo curso


No último dia 28, quarta-feira, Gustavo lançou nosso mais novo curso, o "Seja homem - a redescoberta da masculinidade cristã". O curso é uma tentativa de compartilhar aquilo que ele tem descoberto em suas pesquisas e, principalmente, em sua experiência a respeito deste assunto: como tornar-se o pai, o marido e o homem que Deus deseja. Além disso, o curso é também uma resposta ao apelo de várias mulheres e homens que desejam "uma versão masculina" do meu curso "De volta ao lar". Muitas mulheres que compreenderam a importância do seu papel sentem a necessidade de que os noivos/maridos compreendam igualmente o seu próprio, para que a família possa andar de fato em comunhão, sem mentalidades distintas a respeito de seus compromissos e responsabilidades.

Tem sido extremamente interessante notar as diferentes reações diante da nossa proposta. Desde o incontido entusiasmo até o escárnio, passando pelo menosprezo. Mais curioso ainda é ver que muitas das reações negativas vêm de alguns que se dizem cristãos, mas que parecem fazer pouco caso, ou realmente não entendem, o tempo em que vivemos, onde os mais basilares e essenciais fatos são postos à prova. Afinal, se todos (e refiro-me exclusivamente a todos nós, cristãos) soubessem não apenas qual é o seu papel social, mas qual é o seu papel enquanto membro de um determinado sexo, estaríamos vivendo tamanha confusão em nossas famílias, em nossas igrejas e em nossa sociedade? Se cada homem soubesse o que significa tornar-se marido, um marido cristão de verdade, ocorreriam tantos divórcios e separações? Se cada homem soubesse o que significa tornar-se pai, um pai cristão de verdade, encontraríamos tantos jovens depressivos, desnorteados, drogados e revoltados? Se cada homem soubesse o que significa tornar-se homem, um homem cristão de verdade, nossas igrejas estariam do modo como estão? Melhor dizendo: o ocidente estaria como está? Acho que não. Definitivamente.

O curso é composto de seis aulas e uma aula extra. As aulas abordarão os seguintes temas:
  1. Introdução: uma nota autobiográfica;
  2. O silêncio de Adão: o duplo problema da omissão e da desvirilização;
  3. O caráter de homem;
  4. Marido de uma só mulher;
  5. Um homem de família;
  6. Um homem a serviço de Deus e do próximo;
  7. Hangout para responder dúvidas.
O período de inscrições irá até o dia 04 de novembro, próxima quarta-feira. O valor do curso é de RS 109,00. Para adquiri-lo ou obter maiores informações, clique aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.
Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora…