segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Prevenindo-se contra o feminismo nas gerações vindouras

Para mim, que sou nascida em família esquerdista, ex-amiga de companheiros esquerdistas, ex-aluna de professores esquerdistas, uma vez transposta a linha da fidelidade estúpida, não é difícil concluir que o esquerdismo brasileiro não é, na maioria dos casos, o resultado de uma adesão consciente, racional e voluntária a um corpo teórico pretensamente mais verdadeiro, mas, antes, o fruto de uma lealdade inconsciente, emocional e quase involuntária a um grupo que justifica e legitima o ressentimento, a inveja, o coitadismo e o desejo de vingança de seus pares sobre o demais, estes tidos como seus algozes, opressores e rivais. Claro, nem todos são tão infantis assim: os que não o são, em geral, são os que lucram realmente sobre o infantilismo dos primeiros.

Hoje mesmo verifiquei, pela milésima vez, na prática, o que procurei dizer acima. Tive acesso ao texto de uma garota dita cristã que pretendia explicar os motivos de sua adesão ao feminismo: nada mais do que uma sucessão de mágoas com sua mãe, as quais, segundo ela, eram provas definitivas do "machismo" ocidental.

A julgar pelo relato, a mãe da referida moça não possuía, ela mesma, compreensão da importância do seu papel enquanto esposa, mãe e dona de casa. Sempre que possível, poupava a filha de quaisquer envolvimentos com os afazeres domésticos, incentivando-a a buscar, por meio dos estudos, "uma vida melhor". Apesar de poupada, no entanto, a garota ressentia-se da "injustiça" materna que, em lugar de solicitar igualmente filhas e filhos, voltava-se sempre para as moças em busca de ajuda. Ou seja, o feminismo da garota, assim como o da maioria das moças, encontra seu fundamento no mal resolvido relacionamento com sua mãe e tem seu respaldo nas disseminadas campanhas midiáticas.

Ao que pude perceber, não deve constar entre as ambições de tal mãe a transformação de sua filha em uma militante feminista, porém, ao ignorar a importância e, de certo modo, menosprezar o seu papel, ela fez eco ao clamores do mundo e "empurrou" a filha para os braços das feministas. Casos assim multiplicam-se diariamente, para a tristeza e vergonha das famílias cristãs.

De fato, vivemos tempos difíceis nos quais nós e nossos filhos somos pressionados por todos os lados pelas mais sórdidas ideologias, mesmo dentro da igreja. Todavia, nada nos autoriza a abraçarmos a resignação como se não houvesse o que pudéssemos fazer. Em meu curso, o De volta ao lar, mostro como é fundamental descobrirmos, antes do mais, as raízes de nossas opiniões e posturas acerca da vida familiar, compreendendo, então, a origem de nossos sentimentos de incapacidade, inadequação e frustração; em seguida, é preciso empreender um esforço vigoroso pela formação de uma nova mentalidade e de uma nova postura; por último, é essencial que saibamos não só viver e gerir nossa realidade familiar de uma maneira realmente cristã, mas é absolutamente indispensável que saibamos COMUNICAR essa nova mentalidade e essa nova postura aos nossos filhos, defendendo os valores nos quais acreditamos e guiando os pequenos pelo caminho da preservação da família, do respeito à hierarquia familiar e da valorização das especificidades de cada papel exercido em seu seio.

Em resumo, enquanto não compreendermos a centralidade de nossa presença no coração do nosso lar, e enquanto não soubermos transmitir tal compreensão aos nossos filhos, com toda a alegria, convicção e vigor que lhe convém, continuaremos tornando-os alvos fáceis de ideologias como a feminista, que outra finalidade não possui além de destruir os lares e perverter o feminino.

2 comentários:

  1. Muito boa reflexão.
    Lendo seu relato, lembrei-me da minha infância/ adolescência.
    Pela graça de Deus, compreendi as ações de minha mãe, e estou formando uma nova mentalidade, como você citou, para poder viver essa "nova realidade" e acima de tudo, passá-la para minhas filhas, para que eu não as empurre nos braços das feministas e também para que elas não se ressintam da injustiça materna.
    O esforço para cortarmos nossas raízes é enorme, mas vale muito a pena!!
    Obrigada Camila, sua palavras soam suaves e verdadeiras em meus pensamentos.

    ResponderExcluir
  2. Olá Camila!
    Gostei muito do que você escreveu. Obrigada por me ajudar a conhecer e entender melhor assuntos tão sérios e importantes.
    Desejo que suas palavras conquistem muitas pessoas!

    ResponderExcluir