segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Paternidade: o chamado, o ofício e a cruz


O texto que reproduzo abaixo foi originalmente publicado em The catholic gentleman

e gentilmente traduzido por minha amiga Aline Galhardo.

Esqueça os pais que você vê na televisão: egoístas, viciados em trabalho, ausentes, intimidadores, influenciáveis. Eles não merecem esse título. Ser pai de verdade é algo maior que isso. É algo tão grande quanto Nosso Pai que está no Céu.
O chamado a ser um pai católico é um chamado a sofrer – como marido, como pai, como católico. Assim como Cristo é a cabeça da Igreja, o pai católico é a cabeça de sua casa, e sua cabeça é coroada de espinhos. Não se trata de se promover. Trata-se de entregar sua vida pela sua família. A paternidade é assustadora. Mas é também fabulosa, e é por isso que devemos mostrar a paternidade católica para um mundo que se esqueceu para que serve um pai.
O chamado
Deus criou a paternidade com um propósito. Ele tem afirmado esse propósito através dos tempos, de Adão a Noé, a Abraão, a Davi e de São José ao Nosso Pai que está no Céu. O pai Católico é chamado a cumprir quatro responsabilidades, particularmente: adorar a Deus, proclamar o Evangelho, ensinar e manter a fé, e administrar os canais da Graça. Em outras palavras, o trabalho do pai é litúrgico, evangélico, doutrinal e pastoral. Ufa! Isso é um bocado. Vamos analisá-los um de cada vez.
Litúrgico
Pais, guiem suas famílias através da adoração. Seus filhos foram criados para gozar da mais adorável Trindade através da adoração. E Deus criou a família como um lugar especial para que O adoremos. Liturgia vem de uma palavra antiga que significa “trabalho público’, e esse é o meio pelo qual católicos conduzem a adoração. Não pense que a liturgia da televisão, ou a liturgia das noites a mais no escritório, ou a liturgia das intermináveis atividades extracurriculares não está moldando a alma de seus filhos. As pessoas estão sempre cultuando algo, e sua família não será a exceção. O que está sendo cultuado no seu lar? O sucesso e o entretenimento, ou será que é Deus? Como pai, seu primeiro trabalho é dar forma e direção ao culto no seu lar. Faça um pequeno oratório, lembre-se do jantar à mesa e torne isso sagrado e preencha seu lar com a liturgia da oração. Reúna toda a família e deleitem-se na glória de Deus.
Evangélico
Pregue o evangelho à sua família. Se necessário, use palavras – e lembre-se que palavras quase sempre são necessárias. O tipo forte e silencioso pode soar bem a um cowboy, mas não a um bom pai. Um pai silencioso é um crime contra Deus e o próprio homem. Deus criou o mundo por meio de palavras, Cristo proclamou o Reino com sua boca, e esses lábios que Deus te deu não foram feitos para cuspir sementes ou se embriagar com whiskey. Não podemos adorar a Deus se não O conhecemos. Então, o segundo ofício do pai católico é o de proclamar a boa nova de Jesus Cristo. Pregue o evangelho no seu modo de viver e com palavras. Veja bem! O eterno Filho de Deus se tornou um filho de Adão, nasceu de uma filha de Eva, morreu, e ressuscitou, para nos salvar do poder do pecado e da morte, para nos tornar partícipes da vida de Deus! Pais, evangelizem suas famílias. Contem-lhes a maravilhosa história de Jesus todos os dias. Façam-no a partir do pressuposto de que ninguém mais será capaz de fazê-lo por vocês.
Doutrinal
Eu sei. Eu sei. Você não é nenhum teólogo, é melhor deixar que os profissionais cuidem da doutrina, você é um homem muito ocupado. Essas são desculpas esfarrapadas. Se você é capaz de ser um vendedor ou um mecânico, se você consegue acompanhar os resultados dos jogos de basebol e ler o jornal diariamente, você tem o que precisa para esse ofício. Você é batizado? O Espírito Santo está rugindo dentro de você, como um urso esperando para acordar? Seus filhos foram batizados, porém agora eles devem saber o que é o Batismo — O que é preciso renunciar, acreditar, e fazer. Então, o terceiro ofício do pai católico é o de ensinar a fé. Você tem o privilégio de ensinar seus filhos em que devemos ou não crer. Pais, guiem suas famílias no conhecer a Deus. Mostre a eles que a doutrina é encantadora. Abra as Escrituras e a Tradição. Anuncie as grandes verdades da nossa fé católica.
Pastoral
Sua família necessita da graça, e o quarto ofício do pai católico é o de administrar essa graça. Os sacramentos são ministrados pelos ministros da Igreja, mas cada católico tem alguma responsabilidade pelos canais da graça. É em você — não no seu vizinho, mas em você — que sua esposa e filhos experimentarão e verão que o perdão de Deus é real, que o amor de Deus os faz livres, que eles são amados. Pergunte a eles como você pode rezar por eles. Diga-lhes pelo que você está rezando por eles. Chame-lhes a atenção quando pecarem, e esteja pronto para perdoá-los assim como Deus o faz. Leve-os à Sagrada Eucaristia, à catequese, à capela do Santíssimo Sacramento, ao confessionário. Seja o primeiro a ficar de joelhos e o último a se levantar. Deixe a porta do seu escritório aberta, atenda ao telefone, e esteja pronto para dar um abraço de urso bem apertado e um beijo com a barba por fazer. Somente você pode ser o pastor do seu lar.
Veja, você é o papai urso, o patriarca, o pater-familia. Deus o está chamando para arregaçar as mangas e ir à luta. Você vai bocejar e abrir uma outra garrafa de cerveja, ou vai atender ao apelo?
O ofício
Cara, essa coisa toda de ser pai não foi uma ideia de um fanático branco da Idade do Bronze1.O patriarcado é a ideia brilhante de Deus — que se destina a ser igualmente brilhante. Como marido, você é chamado a irradiar o amor cruciforme do Filho à sua esposa. Como pai, você é chamado a revelar o amor do Pai aos seus filhos. Existem pelo menos três habilidades que todo pai católico deve dominar: ouvir, liderar e ser vulnerável.
Ouvir
O pai católico não sai por aí fazendo proclamações e dando sermões. Ele não faz com que tudo gire em torno de si mesmo, como a tarefa de casa das crianças ou as férias da família, por exemplo. A habilidade mais útil que todo pai deve dominar é a de ouvir. Ouça o que sua esposa e filhos estão tentando dizer a você. Faça perguntas. Pergunte sobre o dia deles. Celebre seus talentos e interesses. Seja lento para falar e rápido para ouvir.
Lidere
O pai católico não é jogado de um lado para o outro de acordo com a moda ou desejos aleatórios. Ele lidera. Um bom líder não abusa de seu poder, mas usa-o para servir. Revista-se como um homem real, e lave a louça. Lembre-se do motivo pelo qual Deus te deu músculos, e leve o lixo para fora. Honre sua esposa e sirva-a. Estime e proteja seu corpo e sua alma. Ela é sua rainha, e você deve tudo a ela. Trabalhe incessantemente pelo bem-estar de sua família. Seu trabalho é o de dar alimento, abrigo, roupa, amor paterno. Fique a sós com Deus e reze. Sacrifique-se por sua família num sacrifício vivo. Acima de tudo, guie-a na oração.
Seja vulnerável
Na maioria das vezes, quando as pessoas dizem "seja vulnerável" significa ser honesto sobre suas fraquezas, aberto sobre a sua dor. Essa vulnerabilidade é boa, mas há um tipo igualmente importante: a vulnerabilidade da alegria. É assustador permitir que outros vejam o que você ama. É preciso coragem para se levantar e dizer: "Uau! Isso é lindo!". A razão número um por que as crianças não vão à Missa é porque seus pais não vão à missa, e mesmo quando o fazem, eles não deixam essa alegria transparecer. Não há lugar no Reino de Deus para pais estóicos que mantém tudo a panos quentes. Uma das melhores habilidades do pai católico é a vulnerabilidade. Seja honesto sobre quanto você ama o Deus trino. Esteja aberto sobre o quanto você O adora no Santíssimo Sacramento, quanto você ama sua Mãe, como você está tomado pela graça extraordinária. Pais, arrisquem ser alegres.
Deus criou a paternidade pela mesma razão que levou Thomas Edison a inventar a lâmpada — para ser luz. A paternidade deve ser um farol para o mundo, uma tocha do amor e da autoridade, uma vela de devoção ao nosso único e verdadeiro Pai que está no Céu. Então, não mantenha essa luz embaixo de um cesto.  
A cruz
As pessoas estão se entupindo de formas baratas de amor. Seus corações estão famintos de amor, e isso se deve (principalmente) porque seus pais não estão dando amor da forma como deveriam — a suas esposas, a seus filhos. O modelo de pai veiculado pela cultura pop é do tipo barato, descartável, cruel ou superficial. Eles não merecem esse título. É tempo de mostrar o que é a verdadeira paternidade: a cruz.
Você que é o homem da casa? Você pensa que é o chefe? Então ajoelhe-se como um escravo, como o Filho de Deus e comece a lavar os pés de sua família. Esse não é o momento de falar sobre sua felicidade e liberdade, como se você mesmo fosse o centro das atenções. Esse é o momento de se humilhar para que sua esposa e filhos sejam exaltados. Essa é a oportunidade de entregar sua vida. E é por isso que a paternidade católica é assustadora. Mas é também por isso que ela é tão importante, e por isso precisamos mostrá-la para um mundo que se esqueceu para que serve um pai.
Liderança não é uma licença para usar e abusar. Liderança é uma coroa de espinhos ensanguentados. Você é a cabeça do lar, como Cristo é a cabeça da Igreja, e isso significa que você precisa usar uma coroa de espinhos.
Essa coroa resume o que é a paternidade. O pai Católico é chamado a ser oblação, a se doar, a ser um sacrifício vivo. Sua vocação é sofrer — como marido, como pai, como católico. E isso é bom. Aquele que quiser salvar sua vida, vai perdê-la, mas aquele que perder a sua vida, vai encontrá-la. A paternidade é a sua cruz.
Pais, Jesus está olhando nos seus olhos e dizendo: “Siga-me.”
A pergunta é, você vai tomar a sua cruz?

4 comentários:

  1. Maravilhoso, espero que meu marido leia e seja tocado.

    ResponderExcluir
  2. Eu preciso ler isso tudo todos os dias. Obrigado! :D

    ResponderExcluir
  3. Lindo, não tenho outra palavra, lindo.

    ResponderExcluir