Pular para o conteúdo principal

A difícil lição da humildade



Nos últimos meses, tenho tido o privilégio de conviver -- mais virtualmente do que presencialmente, é verdade -- com um grupo considerável de mulheres que enchem-me de orgulho e inspiram-me. São mulheres que apesar de todas as pressões, internas e externas, procuram retornar aos próprios lares, dedicando-se o máximo possível à família. Mulheres que, assim como eu, precisaram redescobrir muitas coisas, pois elas mesmas não haviam sido ensinas por suas mães, de modo que o caminho de retorno, embora incomparavelmente gratificante, não é carente de empecilhos, dificuldades e frustrações.


Algumas dessas dificuldades nascem da própria escassez de convívio, da falta de prática uns com os outros por um período maior de tempo, além do egoísmo inerente a todos nós, seres humanos. É como se precisássemos reaprender a viver estando mais tempo juntos, sem os tão caros e defendidos "tempos para si" de que tanto se fala hoje em dia. Afinal, como não irritar-se, como não gritar, como não exasperar-se quando se tem uma, duas, três, cinco, sete crianças ao redor de si o tempo todo, pedindo, demandando, falando alto, cantando, chorando? Mas bastam alguns segundos após a explosão da "bomba" de nervos chamada mãe para que o arrependimento encha o coração e a sensação de fracasso amoleça os braços. Quem é mãe e nunca passou por isso que jogue a primeira pedra!

Entretanto, assim como desejamos ensinar os nossos filhos a serem perseverantes, corajosos, pacientes e tantas coisas mais das quais o nosso exemplo é a primeira e fundamental mestra, precisamos também ensiná-los sobre a dolorosa virtude da humildade, e é em nossa própria humilhação que encontramos a rica matéria-prima de um coração sincero e de um ego apequenado.

Ser capaz de reconhecer o próprio erro, o próprio excesso e pedir perdão ao próprio filho, não a cada tropeço, mas quando a questão é séria e quando ele já tem condições de entender o que está em jogo por meio de tais palavras, é uma lição para toda a vida. Ao contrário do que possa parecer, o reconhecimento da própria precariedade e da própria falha não é a exposição de um erro e um motivo para desconfiança, mas a prova de que todos, pai e mãe, filho e filha, por melhores que sejam, por mais que nos amem, não são perfeitos, não são infalíveis, não são imutáveis, enfim, não são Deus. E é Dele, definitivamente, de quem os nossos filhos -- e nós! -- mais precisam.

Assim, queridas mães, aprendam a esperar menos de si mesmas -- mesmo fazendo sempre o melhor de si -- e mais de Deus; aprendam a pedir perdão, ao(s) filho(s) e a Deus; e, por último, aprendam a se perdoar. Ao enfrentarmos os nossos próprios limites com constância, paciência e humildade, oferecemos aos nossos filhos lições incomparáveis: de que não nos entregamos às nossas misérias, que lutamos contra aquilo que há de imperfeito em nós, que o amor é maior que o orgulho, e que somente Deus é verdadeiramente um Pai perfeito e é Dele que mais precisamos.

Comentários

  1. Obrigada Camila, seu lindo texto veio confirmar o que já praticava e pressentia... por reconhecer minhas falhas diante dos meus filhos , vejo que, especialmente , o meu mais velho ( 7 anos) consegue compreender que todos nós, pai,mãe e filhos precisamos primeiramente de Deus.
    Cristiane.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

Dicas de planejamento de homeschooling

Muitas famílias homeschoolers já retornaram às atividades de estudos, mas há muitas que, assim como nós, por diferentes razões, espicharam um pouco mais as férias. Assim, apesar da época já um tanto adiantada, resolvi compilar aqui algumas dicas para quem quer fazer um bom planejamento de estudos para este ano mas tem encontrado alguma dificuldade ou simplesmente não tem experiência no assunto.
Antes, no entanto, de passar às dicas propriamente ditas, convém esclarecer que não abordarei aqui a questão dos materiais (qual é o melhor, qual é o pior, onde comprar, se existe para download, etc.). Nas dicas, meu foco será a família, as pessoas envolvidas no homeschool. Por desimportante que possa parecer, se a família não está funcionando bem, há grandes chances de o seu homeschool fracassar.
Todavia, quem precisar de ajuda na seleção/avaliação dos materiais, ou precisar de algum auxílio mais pontual, sugiro duas possibilidades: ou o nosso curso Homeschooling 1.0, onde oferecemos todo o pass…