segunda-feira, 22 de junho de 2015

10 motivos previsíveis para você não acreditar no pró-reitor de graduação da UFRGS

Após a publicação de uma matéria extremamente tendenciosa neste último final de semana sobre homeschooling, a RBS revolveu voltar ao assunto e reforçar seu mal-disfarçado apoio ao sistema no Jornal do Almoço de hoje, convidando o pró-reitor de graduação da UFRGS para dar a sua opinião a respeito. Dei-me ao trabalho de listar 10 motivos para você não acreditar no que ele diz. Poderia listar mais, mas aí o post ficaria muito longo e, além disso, ao contrário dele, eu não subestimo a inteligência dos meus leitores. Resumindo, há ainda mais furos do que eu apontei.


Assistam a mais uma "pérola" do jornalismo "isento" e confiram abaixo a minha listinha.


1. É claro que o pró-reitor da UFRGS não aprova a educação domiciliar sob hipótese alguma. Admiti-lo seria aceitar que o modelo que sustenta a ele próprio é falho e que é possível que exista coisa melhor;
2. É claro que o pró-reitor enfatiza a questão da socialização, já que a finalidade principal da escola, isto é, a transmissão de informações, já não é mais alcançada de modo algum;
3. É claro que, além de arrogante, o pró-reitor é ignorante: a escola (um local de ensino, tenha ela forma que tiver) existe desde a Idade Antiga, ou seja, muito mais do que mil anos; o que ele omite intencionalmente é que o modelo de escola tal como hoje conhecemos tem pouco mais de 200 anos, pois é um fenômeno pós-revolução industrial;
4. É claro que, para o pró-reitor, nós vivemos um momento importante na história, o momento de "aceitação do diferente", mas o único diferente que não pode ser levado em conta é o homeschooler: este precisa ir para a escola, apesar do momento de "aceitação do diferente" em que vivemos;
5. É claro que o pró-reitor precisa mentir: os EUA não são um dos poucos países em que a educação domiciliar é permitida, pois são mais de 60 países em todo o mundo, incluindo alguns dos países mais desenvolvidos, como o Canadá e a França!
6. É claro que o pró-reitor precisa mentir (2): não há polêmica nenhuma nos EUA a respeito do homeschooling: ele é permitido em todos os estados da federação e diversas pesquisas comprovam que as crianças educadas em casa são mais sociáveis do que as crianças educadas na escola;
7. É claro que Cristina Ranzolin precisava destilar um pouco de veneno: "os pais não têm condições de acompanhar os filhos nos temas!". Claro! Eles receberam a educação que ela e o pró-reitor defendem! Porém, o que eles não sabem é que os pais homeschoolers estão dispostos a largar as suas carreiras e aprender o que não sabem para dar uma educação melhor do que a que receberam e que aquela que ambos advogam;
8. É claro que o pró-reitor precisa defender a criação de escolas: o importante é a manutenção do coletivismo, da manada, da fábrica e o achatamento de toda e qualquer iniciativa que brote da individualidade;
9. É claro que o pró-reitor e Cristina precisam defender até o bullying, afinal, o que são estupros, espancamentos, ameaças de morte e assassinatos, não é mesmo? São coisas com que as crianças precisam aprender a lidar. E quanto mais cedo, melhor;
10. É claro que o pró-reitor precisa parecer sensato ao dizer que a escola também tem os seus defeitos. O que ele não faz e não fará é analisar e admitir que os resultados obtidos pelo homeschooling são muito superiores a qualquer um dos resultados que ele ajuda promover ao defender o modelo de escola que temos hoje.


Sobre as abobrinhas a respeito do "trabalho doméstico", deixo aqui a minha pequena contribuição.

Quer saber mais sobre meu novo curso, o "Homeschooling 1.0"? Clique aqui.

2 comentários:

  1. Olá!
    Eu estou muito interessada em aprender como posso ensinar em casa! Sempre tive desgosto pela escola pq sentia q esta não me atendia, não me entendia e proncipalmente não me acompanhava... Percebo que meu filho hj com 4 anos e meio se sente desmotivado e ainda triste ao voltar da escola pois ele não está aprendendo como deveria e ainda sofre certa discriminação por ser diferente!!!! 😞

    ResponderExcluir
  2. Não vi o programa, mas imagino bem como tenha sido! O JA é insuportável! Sou gaúcha, mas moro em Sorocaba! Até imagino como tenha sido a cara venenosa da Cristina Ranzolin! Que nojo! É claro que eles precisam puxar a brasa para sardinha deles! :) Obrigada

    ResponderExcluir