Pular para o conteúdo principal

Meu filho quer ir para a escola. E agora?

Eis uma pergunta cada vez mais recorrente, uma vez que a primeira geração de interessados em homeschool amadurece e seus filhos aproximam-se da idade (dita) escolar.

Antes do mais, é importante averiguar as razões alegadas pela criança para ir à escola. Na maioria das vezes o desejo está atrelado ao interesse em estar com outras crianças, em brincar com outros brinquedos, em fazer algo diferente... Enfim, na grande maioria das ocasiões, o que a criança quer não é a escola, mas as pessoas e/ou coisas que lá estão.

No entanto, e especialmente em se tratando de crianças sozinhas, que não têm irmãos, o desejo adquire um peso maior: a criança quer, com razão, alguém com quem brincar, alguém que esteja mais próximo do seu mundo que um adulto: a criança quer um igual. E é neste caso em que a maioria dos pais que desejam praticar o ensino doméstico com seus filhos descobrem-se em apuros.

Pensando neles, aqui vão alguns poucos pontos que podem (assim espero) ajudar na reflexão sobre tão importante decisão:
  1. Em primeiríssimo lugar: considerem a vinda de um(a) irmãozinho(a) (ou mais) para a família. Você e seu marido não irão durar para sempre, por isso dê ao seu filho a chance de ter alguém com quem compartilhar a história da família e as memórias gravadas ao longo dela; dê a ele alguém com quem contar! Acredite, um irmão é mesmo o melhor presente que os pais podem dar a um filho. Além disso, um segundo filho (terceiro, quarto...) costumam exigir menos gastos financeiros do que o primeiro (a inexperiência e o deslumbramento nos fazem gastar bem mais do que precisamos).
  2. Um ponto central a ser considerado é a idade da criança. Embora seja muitíssimo comum encontrar crianças de 6 ou 4 meses nas creches (e até menores!), isso não significa que tal procedimento seja o melhor ou mais adequado (sei que há muitas famílias que não têm a opção de não enviar os filhos para as creches e escolas, mas não é a estes casos que me refiro). Quando minha filha pediu-me para ir à escola, eu e meu  marido estabelecemos o seguinte critério: apenas quando ela souber entender e contar aquilo que vê e lhe acontece. Assim, Chloe foi para escola apenas aos 4 anos de idade (o que é incrivelmente tarde para a maioria), pois a partir de então, caso algo de estranho ou ruim lhe acontecesse, ela teria as ferramentas mínimas para conseguir inteirar-nos da situação. Entregar um bebezinho e crianças pequenas, hoje em dia, aos cuidados de terceiros, não me parece nem um pouco seguro, por mais "normal" que pareça.
  3. Sim, a criança precisa ter contato com outras crianças. Mas "ter contato" não é sinônimo de "ter qualquer contato". Em outras palavras: há muitos meios de convívio possíveis: praças, clubes esportivos, artísticos, oficinas e igreja. Porém, como disse no tópico anterior, mesmo em tais casos, prefiro não "entregar" a terceiros o cuidado dos meus filhos, mas selecionar atividades das quais possamos, ou eu, ou meu marido, participar. Assim evitamos que nossos filhos fiquem vulneráveis a pessoas que, na verdade, não sabemos quem são.
  4. O centro da saúde emocional da criança (e futuro adulto) depende muito mais da qualidade do convívio que ela tem com os pais do que com as demais pessoas. Assim sendo, antes de precisar "socializar-se", a criança precisa "familiarizar-se": ela precisa de amor materno e paterno para crescer segura e feliz, e não há substituto para isso. Não fosse assim, as crianças não nasceriam de um casal, não é mesmo?
  5. Por último, decida tudo em consenso com o seu cônjuge. Vocês dois são responsáveis pela criança, assim sendo, apesar dos seus pedidos, não "batam o martelo" sob pressão, mas somente quando e do modo que estiverem certos de estarem fazendo a coisa certa, goste ela ou não. Afinal, ela não sabe tudo o que está em jogo, mas você e seu marido sabem (ou deveriam procurar saber).
PS: Ao procurar uma imagem para ilustrar esse post, não encontrei NADA que retratasse o desejo de ir à escola, mas somente o desejo de não ir. Interessante, não?

Comentários

  1. Meu filho começou a demonstrar um grande desejo de ir pra escola, logo após completar 4 anos. Acho que é por conta do irmão mais velho de 7, que chega contando casos e mais casos da escola.
    Cristiane.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, esse conselho de não deixar a criança como filho único é valiosíssimo! Eu sou filha única e hoje digo, com absoluta convicção, que a melhor coisa que eu podia ter tido na vida era irmãos! Infelizmente meus pais não puderam me dar isso, então tive que me contentar com a amizade dos amiguinhos da escola, pois nem na minha vizinhança havia crianças. Pais, não pensem que é vantagem ter um filho único, com o pensamento de que ele será mellhor criado ou terá mais conforto etc. Nada substitui a formação dele enquanto ser humano, coisa que só é viável através de OUTROS seres humanos...ele sempre vai enjoar daquele brinquedo de última geração que ganhou, mas duvido que se canse de brincar com um irmãozinho ou um amiguinho do tamanho dele...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.
Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora…