domingo, 1 de fevereiro de 2015

Das coisas com que eu jamais pensei que me importaria

Alguns de vocês já sabem, outros não, mas há exatos 9 dias mudamos de residência. Melhor, mudamos de residência e de cidade. Finalmente conseguimos ir para o interior do estado e, para minha surpresa, está tudo sendo melhor do que o esperado.

A casinha em que estamos é muito, muito simples. Quem conheceu o apartamento onde estávamos em Porto Alegre certamente julgaria nosso atual endereço como um retrocesso, no entanto, temos aqui um pátio imenso, maravilhoso, com espaço para correrias, picnics, acampamentos, fogueiras e muito mais. Ou seja, se, por um lado, "perdemos" em qualidade de estrutura (embora eu não veja as coisas dessa maneira), ganhamos em qualidade de vida de um modo geral, pois temos espaço, liberdade e segurança para que os nossos filhos brinquem livremente, peguem todo o sol de que precisam e façam todos os movimentos, esforços e brincadeiras para que tenham um desenvolvimento físico pleno.

Não há palavras suficientes para agradecer a Deus e aos amigos que nos ajudaram (e a todos que ergueram preces em nosso favor). Em míseros três dias na casa nova, Chloe já havia visto mais sapos e aranhas que em toda a sua vida! E adquiriu tal familiaridade com o novo contexto que já passou várias peçonhentas no chinelo! Ela já captura borboletas com as próprias mãos, escala árvores, rola na grama, cata cogumelos... Já vimos mais de seis ou sete tipos diferentes de pássaros, uma infinidade de novas flores... Passamos a acordar naturalmente mais cedo e a dormir mais cedo também, graças ao silêncio e ao recolhimento que a cidade vive ao entardecer.

Falando em cidade, tudo aqui é um encanto. Tudo é bonito. Até o que é feio é mais bonito do que em Porto Alegre. E pouco importa o que dizem os modernosos com os seus estilos arquitetônicos "caixote de mármore preto", "caos espelhado" ou "pombal desconstruído": a beleza, a simplicidade, o cuidado com os detalhes fazem um bem enorme aos olhos e ao coração. Até as pessoas são mais saudáveis: ainda olham nos olhos, ainda dão bom dia, ainda dão licença e ainda contam suas histórias sem dificuldade e sem desconfiança. 

Enfim, estamos felizes, muito felizes. As crianças não sentem a menor falta de Porto Alegre, mas apenas dos amigos que lá deixamos. Mas se há algo de que posso me queixar é a demora e a pouca oferta de empresas de telefonia e internet. De resto, até a água da torneira é boa.

PS: Que me perdoem os curiosos, mas não revelarei onde estamos. Já tivemos problemas com malucos eurasianos aqui na internet.





10 comentários:

  1. Que coisa linda! E essas fotinhos foram um grande presente! Aguardamos novas aventuras... \Viva os sapos e as aranhas/, e que Deus abençoe vocês! :D

    ResponderExcluir
  2. Estou muito feliz por você, Camila!
    Que Deus abençoe vocês!

    ResponderExcluir
  3. Camila, não nos conhecemos pessoalmente, mas fico feliz como se vcs fizessem parte da família. Também fizemos esta mudança há cinco anos atrás, quando engravidei do meu quarto filho e não me arrependo nem um pouco. Cuidar de uma casa é sempre mais trabalhoso, mas vale a pena. Vocês vão ver que homeschooling vai ser muito mais natural agora, e muito mais fácil porque existem descobertas no quintal que são muito mais eficazes do que qualquer mega projeto que preparamos. Parabéns pela nova etapa da vida de vcs. Nunca mais pelados pedalantes! Um viva para as aranhas e para os dapos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, Roberta! Temos muito mais trabalho, mas muito mais alegria e liberdade também!
      Um grande abraço!

      Excluir
  4. Que bom ler seu texto Camila! Não há nada melhor do que a alegria das crianças descobrindo a vida ao vivo, e na simplicidade. Que essa mudança traga boas descobertas e muitos picnics!

    ResponderExcluir
  5. Hoje moro em uma capital, mas cresci no interior. E esse é um dos grandes tesouros da minha vida.
    Andar pelas ruas despreocupada, correr, pular, andar de bicicleta, ser filho de Fulana e Sicrano e não um alguém desconhecido, verde, bichos (lá em casa era aranhas, sapos, lagartixas, pássaros e sagüis, ter árvores frutíferas no quintal de casa, sentar na calçada e brincar enquanto os adultos conversam... tesouros.

    Sem dúvida, um grande investimento! Fico feliz por vocês. =]

    ResponderExcluir
  6. Oi Camila!
    Esse também é o meu sonho,morar em lugar onde tranquilo onde a vida passa devagar.
    Ultimamente tenho pensado muito em ir embora do Brasil.Muita coisa no país tem me deixado com medo de morar aqui.
    As vezes penso que pode ser covardia minha,não ficar para poder arrumar toda essa bagunça,mas o que posso fazer se tem mais pessoas para bagunçar do que arrumar. Mas quando vejo e leio post como o seu,vejo uma luz no fim do túnel e a vontade de acreditar que viver aqui ainda é possível,ressurge como a Fênix.
    Parabéns! que a sua família muito feliz!!!

    ResponderExcluir