Pular para o conteúdo principal

A beleza cura

Este é um post totalmente desnecessário. Não falarei sobre homeschooling, não darei nenhuma dica, não avisarei sobre nenhum evento importante... Mas decidi escrevê-lo mesmo assim, pois estou tão feliz, tão feliz, que precisava dividir minha alegria com vocês, para que ela se torne maior ainda.

Há pouco mais de três semanas estamos em nosso novo lar. Nossa casinha verde. Nossa toca do Hobbit. E eu acho que ainda não sou capaz de avaliar toda a extensão dos benefícios que estar aqui têm trazido a mim e à minha família...

A beleza desse lugar tem me curado de um modo muito profundo. A beleza tem me reconciliado, num certo sentido, com a criação, com os homens e com o próprio Deus. A tranquilidade, vez por outra interrompida por um veículo mais barulhento, tem apurado minha audição e renovado minhas energias de um modo que eu não sabia mais que era possível. Eu já havia me acostumado a estar cansada e irritada sem nem saber o motivo.

O espaço, embora pequeno na casa, fora, no pátio, é imenso. As crianças estão mais alegres, mais animadas, mais elas mesmas! É impressionante! Vejo-as como plantinhas que encontraram um bom solo, uma boa luz e o espaço necessário para crescer: elas estão desabrochando, crescendo, se fortalecendo! E nós também, ainda que de um jeito diferente.

Sabe, muitos de vocês, ao verem nossas fotos no facebook brincam, falam em ostentação, enquanto outros escrevem em privado perguntando como isso é possível, como fazer para sair de um grande centro e ir para um lugar de paz.

Eu sei que é brincadeira, que ninguém acha que nos tornamos vaidosos por estarmos aqui, e fala-se em ostentação simplesmente porque é uma palavra na moda das gírias. Mas, vejam, chegamos ao ponto de chamar algo belo, naturalmente belo, de ostentação, como se fosse um luxo, uma jóia ou um carro importado. Que ostentação há num lírio, numa hortência, num quero-quero, numa castanha? Penso que vê-los assim é prova clara de que acostumamo-nos às latinhas, ao lixo, ao mijo, ao grafite, ao concreto... E acostumar-se com a feiúra adoece, como eu estava doente.

Agora, quanto ao sair desse contexto doentio e ir para um local curativo... bem, é preciso, antes de mais nada, crer que há tantas maneiras possíveis de se viver quanto há pessoas sobre a terra. Acostumamo-nos a achar que o modo como vivemos é o único possível, mas não é. E pouco importarão os planos e a viabilidade ou não de cada um deles se, no fundo, não acharmos possível viver de uma maneira diferente.
É difícil pensar diferente. É difícil imaginar diferente. E é por isso mesmo que este precisa ser o começo de tudo. Precisamos começar a imaginar e a pensar diferente, desacostumando-nos da sujeira, do barulho, da doença, da violência. O desconforto do desassossego nos fará buscar pela beleza, pela tranquilidade, pela saúde e pela paz. Mas a primeira janela que precisamos abrir é a do nosso coração, vislumbrando dentro de nós um novo horizonte. Antes disso, ainda que se mude o contexto, tudo permanecerá essencialmente igual.

Desejo, de coração, que você possa encontrar algo belo ao seu redor, que essa beleza o fortaleça e dê esperanças, e que, por fim, conduza-o ao Autor, Consumador e Mantenedor de toda a beleza, nosso amado Deus.


Comentários

  1. Ahhh... Essa canção fechando um texto tão sublime me fez sentir no céu! *_* Verdade, Camila Hochmüller Abadie, estamos tão acostumados com um mundo impregnado em feiura, q qdo nos encontramos com a beleza e com a paz q ela encerra, temos q dividir a alegria q sobeja, alardeando aos quatro ventos q: sim!, onde a beleza e a justiça se beijam, é possível encontrar a paz!, sem o mínimo temor de "ostentar".
    Parabéns pelo seu lindo cantinho! Estamos bebendo dessa alegria e torcendo muito por vocês! Deus os abençoe nesse novo tempo...

    ResponderExcluir
  2. Já pode mudar o nome do blog para "Encontrei Alegria" :) E sei que encontrará muito mais alegria, e será tanta alegria que caso apareça algum problema, a força da alegria os ajudará a enfrentar o problema sem danos.Já morei em cidade pequena no interior e sei o bem que faz a alma. A alegria de vocês é minha alegria porque são meus irmãos em CRISTO :) Deixo aqui um versículo de Filipenses que gosto muito e tem haver com o texto:
    "Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos!"
    Filipenses 4:4
    Um abraço da Família Fortaleza em especial de mim (kkk) Stephanita.

    ResponderExcluir
  3. Tenho certeza que jamais me acostumarei. Não tomarei essa forma. Preparada para mudar. São três filhos e um marido cuja profissão funciona bem em grandes centros. Mas já deu. Pronta para arrumar as malas e ir para o sertão. Levar meus filhos para ver cabras crescerem, galinhas pelo quintal e uma pequena horta.
    Começando a orar primeiro. Gratidão!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

Dicas de planejamento de homeschooling

Muitas famílias homeschoolers já retornaram às atividades de estudos, mas há muitas que, assim como nós, por diferentes razões, espicharam um pouco mais as férias. Assim, apesar da época já um tanto adiantada, resolvi compilar aqui algumas dicas para quem quer fazer um bom planejamento de estudos para este ano mas tem encontrado alguma dificuldade ou simplesmente não tem experiência no assunto.
Antes, no entanto, de passar às dicas propriamente ditas, convém esclarecer que não abordarei aqui a questão dos materiais (qual é o melhor, qual é o pior, onde comprar, se existe para download, etc.). Nas dicas, meu foco será a família, as pessoas envolvidas no homeschool. Por desimportante que possa parecer, se a família não está funcionando bem, há grandes chances de o seu homeschool fracassar.
Todavia, quem precisar de ajuda na seleção/avaliação dos materiais, ou precisar de algum auxílio mais pontual, sugiro duas possibilidades: ou o nosso curso Homeschooling 1.0, onde oferecemos todo o pass…