terça-feira, 24 de junho de 2014

Mais uma aula de latim

Um dos questionamentos mais frequentes a respeito do homeschooling (e sobre o qual eu já escrevi um texto) é a questão da socialização. Bem, diferentemente dos presídios, digo, das escolas, no homeschooling nós não somos obrigados a forçar nossos filhos conviver com pessoas com valores antagônicos aos nossos. Isso acontecerá em muitas, muitas ocasiões ao longo da vida. Na verdade, o que não faltará são ocasiões para aprender a lidar com o "diferente". Mas, agora, enquanto pequenos e especialmente durante os estudos, o melhor é que desfrutem da companhia de outros que os fortaleçam em suas virtudes e não reforcem seus vícios. E eis aí abaixo algumas imagens que retratam isso. Elas foram feitas hoje à tarde e mostram a nova formação da turma de latim do prof. Clístenes, da Confraria de Artes Liberais. Ou seja, nossas crianças interagem, sim. Mas nós, pais, é que decidimos quando e com quem.


Brincando de dar e receber comandos em latim.


Professor cristão e alunos cristãos.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Inscrições quase encerradas!

Queridos, em pouco mais de 24 horas estarão encerradas as inscrições para a nova turma do curso "Ensine seus filhos a ler de forma eficaz", do Prof. Carlos Nadalim. A procura foi grande, a turma está quase completa, mas ainda restam algumas vagas! Se você tem interesse, ainda dá tempo! Adquirindo o curso por meio do MEU LINK você recebe GRATUITAMENTE o meu mini-curso "Ensine seus filhos a gostar de ler".
 
Veja aqui algumas palavras que o prof. Carlos disse a respeito do meu mini-curso: 

"(O seu mini-curso) está excelente! Concordo com absolutamente tudo o que você escreveu! Algo tem de ser feito, sim, depois da alfabetização. Caso contrário, formaremos leitores capazes de compreender com muita facilidade toda estes absurdos que circulam por aí."


Clique AQUI e invista em seus filhos!


quarta-feira, 18 de junho de 2014

Inscrições abertas!

Pessoal, chegou a hora! Estão abertas as inscrições para o curso do prof. Carlos Nadalim, "Ensine seus filhos a ler de forma eficaz"! Como ele e o Arno são generosos "para mais de metro", como dizemos por aqui, os primeiros 30 inscritos ganharão um bônus especial! Corram! As condições de pagamento estão bem mais facilitadas que as da turma anterior! É para não perder de jeito nenhum!

Mas lembre-se: para adquirir o meu bônus, o mini-curso "Ensine seus filhos a gostar de ler", você deve efetuar sua compra a partir do link aqui deste post, em meu blog. A aquisição feita por qualquer outro caminho não dará a você este meu bônus.

 http://hotmart.net.br/show.html?a=A1967651C

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Uma grande novidade!

Hoje pela manhã foi publicado o terceiro vídeo da série gratuita do prof. Carlos Nadalim, tratando especificamente de responder aos questionamentos de vários pais. Vale bastante a pena, pois alguma das dúvidas ali expostas pode ser sua também. Como você verá, ao final do vídeo o prof. Carlos também fala sobre a abertura da nova turma do curso "Ensine seus filhos a ler de forma eficaz". Dois motivos para não perder o vídeo, hein? ;)

Mas há uma outra boa notícia que eu gostaria de compartilhar com vocês. Conforme eu havia dito, no sábado, lá no facebook, hoje, segunda, cumpro minha palavra e conto para vocês, afinal, que boa notícia é essa. Talvez alguns de vocês já suspeitassem, pois usei a hashtag #CarlosNadalim. Mas, enfim, suspeitando ou não, o fato é que o prof. Carlos convidou-me para oferecer um bônus no seu curso!!! Pode não parecer muita coisa, mas, para mim, ter alguém como o Carlos, a quem considero o maior pedagogo do nosso país, acreditando, incentivando e se comprometendo com o meu trabalho, bem, para mim isso é muito, muito mesmo. E eu estou muito feliz (e nervosa) com esse desafio.

Mas aí surgiu a dúvida: o que oferecer como bônus? Pensei em muitos conteúdos diferentes, mas optei por aquele que acredito ser o que melhor complementa o curso do prof. Carlos, e que é também um dos assuntos com o qual mais vezes lidei ao longo dessa vida de blogueira e mãe homeschooler. Assim, meu bônus será um mini-curso chamado "Ensine seus filhos a gostar de ler". Nele, meu objetivo é prepará-lo para os desafios que podem surgir nos passos seguintes da caminhada do pequeno leitor, isto é, imediatamente após a alfabetização. Sim, pois saber ler e gostar de ler são coisas bem diferentes, certo?

Em meu mini-curso, abordarei as seguintes questões, entre outras:
  • Como tornar-se uma inspiração para os seu filhos;
  • Como utilizar as novas tecnologias a seu favor, aproximando os pequenos dos livros, em lugar de afastá-los;
  • Como discernir os assuntos e estilos literários que mais instigam os seus filhos;
  • Como selecionar os melhores conteúdos.
É importante estarmos preparados não somente para uma boa alfabetização, mas para um bom desenvolvimento do processo formativo da criança, no qual os livros desempenham um papel fundamental. Ao contrário do que comumente se imagina, os livros e a literatura não são meras fontes de entretenimento, mas são meios essenciais de aquisição de conhecimento e de autotransformação. Assim, é importante que saibamos o que fazer se, de repente, nos depararmos com um filho que sabe ler, mas não tem desejo de leitura, ou, ao contrário, que lê de tudo e muito, sem pautar-se por bons critérios.

Com o meu mini-curso, pretendo capacitá-lo a tornar-se um guia competente e um companheiro na jornada literária de seu filho.

O mini-curso, como o nome sugere, será breve, composto de três aulas de 30 a 40 minutos cada. Todas elas serão disponibilizadas em áudio, para que você possa ouvi-las onde estiver. Além disso, você receberá um resumo por email, em .pdf, com os tópicos principais e com os links de todo o material mencionado. Por último, haverá uma comunidade secreta no facebook onde poderemos conversar, discutir e esclarecer dúvidas.

Ressalto, finalmente, o seguinte: para que você tenha acesso ao meu mini-curso, é fundamental que você adquira o curso do prof. Carlos Nadalim comigo, por meio dos links que eu liberarei no dia da abertura das inscrições. Não há outro modo de ter acesso ao mini-curso que não seja este, pois é um conteúdo exclusivamente desenvolvido aos alunos do prof. Carlos.

Por último, deixo aqui as palavras de duas mães, contando sobre como algumas dicas que eu ofereci fizeram uma grande diferença na vida dos seus filhos:
"Há um ano atrás, aproximadamente, meu filho mais velho, na época com 7 anos, tinha verdadeiro horror a ler ou escrever. Estava bem alfabetizado e realmente não era o que eu esperava, pois lia diariamente para ele desde bebê e eu era um bom exemplo nesse sentido, pois sou uma leitora assídua e gosto de escrever com papel e caneta, à moda antiga. O fato era que ele chorava para não ter de ler ou escrever nem uma frase. Na época, comentei com a Camila sobre esse problema, lastimando-me, mas com dicas simples ela me ajudou a reverter totalmente esta situação. Hoje, um ano após esse episódio, meu filho não lê somente, ele “devora” os livros. O que ele já leu nesse meio tempo a maioria dos adultos brasileiros não leram durante toda a vida. Ele costuma me dizer que “descobriu o segredo da leitura”. Só posso agradecer a você, querida Camila, por tão preciosas recomendações." (Nani Selestrim)

"Bem, sempre li muito para o Vincent, eu trabalhava fora de casa, bastante, quando ele era pequeno e para compensar a minha culpa, ficava horas e horas lendo para ele, todos os dias. 

Aos 4 anos e meio, com a ajuda da minha mãe (e da cartilha Caminho Suave), ele já sabia ler, o que causou um problema enorme na escola. A professora comunista começou a nos perseguir de todo jeito e a oprimi-lo. Mas, mesmo assim, ele continuou a ler. O "mal" segundo ela, já estava feito. Nesse ponto o problema era "o que ler?". Com 06 anos ele já tinha lido tudo quanto era gibi e afins (em francês) da biblioteca da escola. Nós emprestávamos o que dava nas bibliotecas públicas e eu comprei muito livro para ele, mas realmente no escuro, sem direção e sem nenhum apoio do meio escolar. Vivia, assim, desesperada. Na época eu ainda não entendia porque a literatura disponível era tão boboca e chata e acabei deixando ele saciar a fome de leitura com gibis e mais gibis, toneladas, sem exagero. 

No final da primeira série, nosso menininho dócil e sedento por leituras já estava ficando com o coração endurecido. Ele sempre foi muito forte, mas a influência da escola, a opressão, estavam fazendo dele um menino muito triste e até mesmo deprimido. Foi quando demos a virada do homeschooling.  
Na minha cultura brasileira abobalhada, nem imaginava ler para o Vincent histórias "violentas" da mitologia grega, nem mesmo Monteiro Lobato, que pouco conhecia. Foi quando ouvi vocês pela Rádio Vox e fui muito ajudada! Percebi que o meu filho tinha condições de ler os clássicos, e que muito da sua tristeza era porque desde pequenininho a sua capacidade vinha sendo tolhida, na escola e em casa também.

"conhecereis a verdade e a verdade vos libertará"." (Margarida Agostini)
Fique atento! Em breve as inscrições estarão abertas! ;)

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Com a couraça ao lombo

Na terça à tarde, Chloe veio empolgada ler essa fábula do Monteiro Lobato para mim. Chama-se "Dois viajantes na Macacolândia", do livro "Fábulas".
"Dois viajantes, transviados do sertão, depois de muito andar alcançam o reino dos macacos. Ai deles! Guardas surgem na fronteira, guardas ferozes que os prendem, que os amarram e os levam à presença de Sua Majestade Simão III.
El-rei examina-os detidamente, com macacal curiosidade, e em seguida os interroga:
- Que tal acharam isto por aqui?
Um dos viajantes, diplomata de profissão, responde sem vacilar:

- Acho que este reino é a oitava maravilha do mundo. Sou viajadíssimo, já andei por Ceca e Meca, mas, palavra de honra, nunca vi gente mais formosa, corte mais brilhante, nem rei de mais nobre porte do que Vossa Majestade.
Simão lambeu-se todo de contentamento e disse para os guardas:
- Soltem-no e deem-lhe um palácio para morar e a mais gentil donzela para esposa. E lavrem incontinênti o decreto de sua nomeação para cavaleiro da mui augusta Ordem da Banana de Ouro.
Assim se fez e, enquanto o faziam, El-rei Simão, risonho ainda, dirigiu a palavra ao segundo viajante:

- E você? Que acha do meu reino?
Este segundo viajante era um homem neurastênico, azedo, amigo da verdade a todo o transe. Tão amigo da verdade que replicou sem demora:
- O que acho? É boa! Acho o que é!...

- E que é que é? - interpelou Simão, fechando o sobrecenho.
- Não é nada. Uma macacalha... Macaco praqui, macaco prali, macaco no trono, macaco no pau...
- Pau nele! - berra furioso o rei, gesticulando como um possesso. - Pau de rachar nesse miserável caluniador...
E o viajante neurastênico, arrastado dali por cem munhecas, entrou numa roda de lenha que o deixou moído por uma semana.

Quem for amigo da verdade, use couraça ao lombo.
"
Parando para ouvi-la, percebi o quão incrível é a fábula e passamos a conversar a respeito. Tudo começou graças à imagem da couraça ao lombo, que chamou-lhe a atenção, pois a palavra "couraça" é uma velha conhecida, lá da Carta de São Paulo aos Efésios, capítulo 6.

"Mas por que o homem que disse a verdade acabou apanhando?", inquietou-se minha filha. E fomos, então, ao Sermão da Montanha. Lembrei-lhe daquilo que disse Jesus a respeito de quem ama a verdade e a justiça: "Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos céus!".

Expliquei-lhe que quem ama a verdade e a justiça não é bem visto. A pessoa sincera é, no imaginário popular, o estraga-festas. O próprio Monteiro pintou o "amante da verdade" como um "neurastênico, azedo"! Ou seja, legal mesmo é quem mente, quem faz de tudo para agradar, este, sim, merece todas as recompensas e benefícios. É o "diplomata" de profissão e/ou vocação, o que sacrificará tudo e todos para garantir o seu.
Com ele nunca ocorrem atritos, os ânimos nunca se acirram, ninguém fica aborrecido.

Por outro lado, expliquei-lhe que o "neurastênico, azedo", isto é, o verdadeiro, este abre mão das amenidades, das amizades fáceis e da paz aparente pela verdade. Ele abre mão até de si mesmo, expondo-se ao ridículo, à solidão, e talvez até à morte, mas não trai a realidade, não finge em seu coração e, menos ainda, em seus lábios.


Disse-lhe que, embora pareça que quem "se dá bem" é o "diplomata", as palavras de Jesus mostram o contrário. Pois mesmo havendo perseguição ao "amante da verdade", seu fim é o Reino dos céus, enquanto que ao outro, o mentiroso, o destino é o inferno. Assim, no fim das contas, quem está realmente certo e ao lado de Deus é o perseguido e não o louvado.
Por isso, apesar da pintura negativa que Lobato deu ao sincero, a moral da história é acertada: Quem for amigo da verdade, use couraça ao lombo.

Mas, é claro, tudo isso só fez sentido para a Chloe por sua familiaridade com as Escrituras, assim como com a linguagem das fábulas, da qual Esopo é o principal representante aqui em casa. Como eu haveria de comunicar tudo isso se minha filha já não possuísse em sua bagagem literária tais obras? Enfim, quanto mais e mais cedo se conhece a boa literatura, maior é a riqueza de repertório imaginativo, maiores são as possibilidades compreensivas e mais íntima é a apropriação das verdades universais.

domingo, 8 de junho de 2014

Uma segunda nota sobre a "Lei da palmada"

Uma coisa me surpreende mais do que essa Lei da palmada: a ingenuidade dos cristãos ao subestimar os malefícios de uma tal lei entre nós, alegando que "se não há quem prenda assassinos, ladrões e corruptos, como haverão de prender pais e mães de família?". Quando ouço, ou leio, uma coisa dessas, minha vontade é responder: "e quem disse que havia intenção de prender os assassinos, os ladrões e os corruptos?". Se assim fosse, estaríamos constantemente batendo os recordes no número de assassinatos de civis ano após ano (números que evidenciam o fato de estarmos em plena guerra civil não declarada)? Se assim fosse, estaríamos vivendo uma tão completa banalização da maldade e inversão da moral? Ao que me consta, o pior inimigo dos revolucionários nunca foram os assassinos, os ladrões, os corruptos. Pelo contrário! Estes tornam-se parceiros na revolução! A verdade é que os piores inimigos dos revolucionários são a família e a igreja: elas são o alvo, e a Lei da palmada mira bem no meio da primeira delas. A questão aqui não é se haverá polícia suficiente para "cumprir a lei". A questão é que a mentalidade das pessoas já está de tal maneira transtornada (lembram que eu falei na inversão moral ali em cima?) que o próprio vizinho vira polícia; a diarista vira polícia; o tio da van escolar vira polícia. Exatamente do mesmo modo como costuma acontecer nos países comunistas: é civil contra civil. A polícia apenas efetiva algo que a sociedade inteira já está pronta para sofrer e operar. Exagero meu? Não! Antes mesmo do canetaço definitivo da presidANTA já havia denúncia aqui em Porto Alegre, com mãe afastada do filho! Sim! E seja lá o que tenha acontecido no caso citado, quem é que vai provar que focinho de porco não é tomada num ambiente desses, de suspeita total, de insegurança total, onde todo mundo fica pisando em ovos o tempo inteiro? Pouco importa se o pai ou a mãe perde a guarda da criança ou vai para a cadeia, se a diferença entre uma palmada e um espancamento é mais ou menos a mesma que um copo d'água e uma piscina, tanto faz! A Lei já invadiu as consciências, já vigia sobre os lares, já se interpõe entre pais e filhos, ou seja, o estrago já está feito. Pouco importa de onde virá a denúncia. Agora, é colher os frutos do despotismo infantil. Ou tornar-se um fora da lei, aguardando o coturno do Estado quebrar nossa traqueia.

terça-feira, 3 de junho de 2014

Minha experiência com o curso "Ensine seus filhos a ler de forma eficaz"

Ontem, lá no facebook, publiquei o vídeo que o prof. Carlos lançou com os depoimentos das mães que fizeram parte da primeira turma do curso "Ensine seus filhos a ler de modo eficaz". Algumas pessoas ficaram curiosas para ouvir o meu relato inteiro, então resolvi deixar o link aqui (ai, que vergonha).

No entanto, embora o vídeo revele algumas coisas importantes a respeito do curso, por possuir um limite de tempo, aquilo que disse é muito menos do que eu, em verdade, gostaria de ter dito. Assim, se você tem interesse em saber mais do curso e dos motivos para eu recomendá-lo (bem como ao trabalho do Prof. Carlos como um todo), recline-se na cadeira e me dê alguns dos seus minutos.

Em julho do ano passado, procurei um outro professor, o Rodrigo Gurgel, em busca de esclarecimentos sobre algumas questões pedagógicas. Já nem me recordo exatamente quais eram as minhas dúvidas, recordo-me apenas de ir até o Rodrigo por saber que ele havia sido professor de sala de aula e por ser um estudioso sério. Ele, com a gentiliza e solicitude usuais, recomendou-me que procurasse por um outro amigo seu, o Carlos Nadalim. Prontamente solicitei a amizade do Carlos e deixei-lhe uma mensagem de apresentação, mencionando a indicação do Rodrigo, e algumas de minhas dúvidas. Como resposta, ele aceitou o meu pedido de amizade e perguntou-me se poderíamos combinar uma conversa via skype.

Sabe, até hoje eu me arrependo por não ter gravado aquela conversa. Deparei-me com um homem inteligente, divertido, simples, franco, extremamente solícito e disposto a ajudar. Aprendi muito, muito mesmo naquelas duas horas de bate-papo via skype. Não preciso nem dizer que solucionei todas as minhas dúvidas, não é? A partir de então seguimos conversando via facebook. Eu dava-lhe os feedbacks das atividades que fazia com a Chloe e ele me sugeria mais algumas dicas.

Pouco tempo depois fui entrevistada pelo Cristian Derosa, da Rádio VOX, e recebi o convite para fazer um programa semanal sobre homeschooling. Entre dúvidas e inseguranças, dei o primeiro passo e gravei o programa, com o apoio e a participação do Gustavo (sem ele eu não teria conseguido). A coisa toda deu mais certo do que esperávamos e logo ocorreu-nos a ideia: "vamos trazer outras pessoas"! Foi então que o Carlos surgiu como o nosso primeiríssimo nome. Eu simplesmente não podia guardar para mim aquilo tudo que eu sabia que o Carlos poderia transmitir e que ajudaria tantas outras pessoas! Até hoje, aquele foi o programa que mais acessos recebeu!

A partir daí surgiu o blog "Como educar seus filhos", as dezenas de vídeos com dicas de educação e o melhor, definitivamente o melhor de tudo: uma nova geração de crianças brasileiras têm tido a chance de livrar-se do lodaçal em que a nossa educação transformou-se.

Como vocês sabem, fiz parte da primeira turma do curso "Ensine seus filhos a ler de forma eficaz". O curso foi o resultado da procura de uma legião de pais que não mais se conforma com os rumos a que as atuais práticas pedagógicas têm conduzido nossos filhos e nosso país. Nele, tive acesso a um conteúdo de altíssima qualidade, resultado de pesquisa, de experiência e de tempo. Um conteúdo que soube aliar práticas pedagógicas antigas, consagradas pela tradição, com os avanços científicos que os tempos nos trouxeram e comprovaram. Tudo isso pensado de uma maneira integral, abarcando as dimensões físicas, intelectuais e emocionais das crianças, preparando-as para uma alfabetização muitíssimo mais bem sucedida.

O curso é um intensivo de poucas semanas que equivale aos 3 anos de preparação para a alfabetização. Em outras palavras, trata-se de um intensivo realmente intenso. O conteúdo é totalmente online, com aulas ao vivo ao final de cada módulo para que as dúvidas e possíveis dificuldades surgidas possam ser resolvidas. Ou seja, não se trata de um conteúdo estanque, um pacote fechado que você adquire e não tem como interagir ou esclarecer ainda mais. Sem contar nos bônus com especialistas das áreas. Tudo isso por um valor que aqui em Porto Alegre equivale a duas mensalidades numa escolinha particular qualquer (não das mais caras, hein?).

Assim, se você tem filhos, sobrinhos, netos, ou tem parentes que os têm e acredita que algo como o que propõe o prof. Carlos pode fazer a diferença na vida das crianças, sugiro-lhe que se inscreva na lista de espera da nova turma do curso. Há previsão da abertura de uma nova turma para breve. Tão logo a data seja divulgada, avisarei aqui no blog e também no facebook. E saibam, eu não escreveria tudo isso se não eu mesma não tivesse visto os resultados em minha vida e na vida dos meus filhos.

Prof. Carlos e Arno, muito obrigada pelo incrível e abençoado trabalho de vocês! Que Deus os retribua por todo o bem que têm feito!