quarta-feira, 30 de abril de 2014

Campanha: Lembre-se de quem está estreiando

Somente agora, com meu terceiro filho nos braços, é que finalmente sinto-me pronta, segura o bastante para exercer o papel de mãe. Eu sei que isso soa assustador, e é mesmo, mas não fui preparada e nem busquei preparação para a maternidade. Quando ela chegou, fui descobrindo e entendendo tudo conforme as coisas aconteciam. E se me tivessem advertido a respeito de tudo o que eu aprenderia, erraria e mudaria, provavelmente eu teria me assustado de tal maneira com a consciência de minha ignorância que não iria adiante e viraria, como se diz, mais uma "tia dos gatos".

Mas Deus é bom e às vezes (só às vezes) a ignorância é uma bênção. Chloe, a piloto de testes da família, é uma menina maravilhosa. E isso muito mais por bondade e misericórdia divinas do que por esforço meu. De verdade. Mesmo.

Assim, faltando poucos dias para o dia das mães, lembro-me de mim mesma e penso no quanto os nossos dias têm se tornado cada vez mais hostis à gravidez, à maternidade, à vida e à família. Para a minha geração, trazer filhos ao mundo é uma opção sem muitas vantagens. Um projeto tão consistente quanto comprar uma bicicleta ou decidir para onde viajar durante as férias. Logo, quando vejo "barrigas" por aí, inevitavelmente reflito sobre tudo isso. E concluo que, neste nosso contexto, não há nem pode haver nada mais contracultural, nada mais revolucionário, nada mais impensável do que desejar um bebê, deixá-lo crescer dentro de si, recebê-lo, amá-lo e educá-lo para se torne alguém exemplar, um motivo de orgulho.

Deixo portanto, o convite para que neste próximo dia 11 de maio estendamos o nosso carinho e o nosso reconhecimento não somente às nossas próprias mães, sogras, madrinhas e afins, mas que tenhamos palavras de encorajamento e conforto às novas mamães, àquelas que estão estreiando, às valentes que apesar de todos os "nãos" disseram "sim" à vida, ao amor, à família. Que elas possam encontrar em nós, nos próximos dias, a alegria, a compaixão e a fé que cada vez menos vemos ao nosso redor.

E aos que não têm a menor ideia de o que fazer para encorajar uma mamãe grávida, deixo aqui algumas dicas bem práticas ;) :
  • Ao vê-la, não pergunte só sobre o bebê. Pergunte também sobre ela, a mãe do bebê;
  • Não converse só sobre gravidez. Demonstre interesse-se também pelos assuntos dela;
  • Não dê presentes só para o bebê. Se puder, dê a ela algum presente também, nem que seja uma lembrancinha (frutas diferentes, sucos, flores e hidratantes são sempre bem-vindos);
  • Tópico especial aos maridos: massageie seus pés, suas pernas, suas costas;
  • Faça-lhe o almoço (ou o jantar, ou o café da manhã!);
  • Convide-a para assistir um filme, no cinema ou em casa. Mas um filme alegre, por favor!;
  • Ajude-a realizando por ela alguma tarefa doméstica para a qual ela já não tem mais condições físicas. A maioria das mulheres resiste a isso, mas não dê ouvidos: ajude-a.
Saiba que pequenos gestos como os que listei (mas a lista pode ser muito, muito maior!), numa época como a nossa e numa situação de tanta fragilidade quanto a gravidez (e, em especial, a primeira gravidez) podem fazer verdadeiros milagres ao coração da futura mamãe.

Por isso, se você tem alguém do seu círculo que está esperando o primeiro bebê, seja generoso e mostre que ainda há pessoas que amam e valorizam a vida tal como ela é: um presente sagrado de Deus.

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Múmias, hieróglifos e braceletes de "ouro"

Como já comentei em outro post, a grande novidade deste ano letivo são as aulas de história. E há semanas planejo mostrar a vocês algumas das atividades que temos feito, mas... Gustavo deletou TODAS as fotos que eu tinha tirado até então, desde a tábua de argila com hieróglifos até o passo a passo da mumificação de uma fada. :( Mas a culpa foi minha, pois não fiz o upload para o drive e sobrecarreguei o tablet. Para aliviá-lo, Gustavo apagou as fotos.

No entanto, para que este post não seja uma completa inutilidade, publico aqui uma amostra dos conteúdos que vimos hoje: o Reino Médio do Egito.

A primeira foto é uma parte do teste sobre o capítulo de hoje. Ao final de cada capítulo, um novo teste é realizado.


Aqui, a modelo ostenta o resultado da atividade artística sugerida para o capítulo: um luxuoso bracelete de "ouro", feito com requintes de sofisticação, um rolo de papel higiênico, tinta amarela e glitter. :D



Enfim, a criança ouve, revisa, responde e ainda brinca, fixando de muitos modos diferentes a mesma coisa. E tudo isso sem esquecer o principal: o texto da Susan Wise Bauer é impecável! Nada de doutrinação, de ideologia, de distorções, de erros toscos. Um conteúdo que PRECISA ser urgentemente traduzido para as nossas crianças. Ou, no mínimo, servir de inspiração para que algo semelhante seja elaborado por aqui. Pra ontem.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Receita de Páscoa

Tempos atrás, um certo fulano andou espalhando pelo facebook que eu era especialista em Szondi. Não sei e nem quero saber com qual propósito o dito cujo fez isso, mas apressei-me em desmentir a informação e revelar minhas verdadeiras especialidades: lasanha de beringela e bolo integral de banana. É, eu sei, é surpreendente, mas é verdade. E com um pouco (pouco mesmo) de esforço, esse título estará ao seu alcance.

Hoje foi o dia de preparar mais um bolinho. O bolo de banana integral é o resultado de um receita que fui inventando e aprimorando com o tempo. Agora, assim como ela está, me satisfaz perfeitamente. Não quero que o bolo fique mais macio, nem que cresça mais, nem nada disso. É uma receita integral, e como tal, é pesada e nutritiva. Chloe e Benjamin amam e, penso eu, combina bem para quem quer uma Páscoa doce, mas não enjoativa, para as crianças.

Não tem erro. Anote aí:

Ingredientes:

3 xícaras de farinha integral;
1 1/2 xícara de açúcar mascavo (ou 1 xícara de açúcar branco, pois ele é mais doce que o mascavo);
1 colher de sopa cheia de fermento;
1 colher de chá cheia de canela;
2 ou 3 bananas beeeem esmagadas;
3 ovos;
3/4 de xícara de óleo;
3/4 de xícara de leite;
Nozes quebradas ou avelãs a gosto.

Modo de preparo:

Misture os ingredientes secos. Acrescente as bananas, os ovos, o óleo, o leite. Mexa bem. A consistência será mesmo pesada. Coloque na forma sem precisar untar (como a receita vai óleo, nunca gruda). Se quiser, use formas de cupcake ou de empadinhas. Dá certo também. Deixe assar em fogo médio por 45, 50 minutos, ou até estar pronto (espete um palito ou faca e veja se sai limpo). No caso das formas de cupcake, por ser um recipiente menor, o tempo de cozimento também diminui. Deixe esfriar e sirva.

Cobertura (item opcional): 

Derreta um pouco de chocolate ao leite com um pouco de manteiga. Desligue. Misture creme de leite em temperatura ambiente até obter um creme grosso. Espalhe sobre o bolo. Sirva.

Rendimento:
Duas formas como as da foto abaixo.



O interior da delícia.


E aqui, ostentando a nossa fornecedora oficial de nozes ;) :


sexta-feira, 4 de abril de 2014

Lista de filmes e desenhos

Conforme expliquei no programa do dia 27, "Zero TV", não extinguimos o uso completo de desenhos e filmes, mas sim da TV. Ou seja, baixamos da internet aquilo que gostamos de assistir e permitimos que as crianças entretenham-se com algo desse tipo quando achamos conveniente, cerca de 2 ou 3 vezes por semana, durante um período de tempo limitado.

No próprio programa, fiz uma pequena lista de filmes e desenhos que são liberados aqui em casa, mas depois lembrei-me de alguns outros que não citei na ocasião, por isso achei por bem publicar uma lista mais completa aqui:

Filmes:
As crônicas de Nárnia (os três filmes);
A lenda dos guardiões;
Ratatouille;
Kung Fu Panda.

Desenhos:
Desenhos bíblicos;
Piggley Winks;
O pequeno príncipe (versão antiga);
Bob, o construtor;
Thomas e seus amigos.

Se chover, você já tem aí boas indicações para o final de semana. ;)

terça-feira, 1 de abril de 2014

Escola católica contra a fé católica (2)

Vocês estão lembrados do caso de uma mãe lá de Belém que escreveu para cá denunciando o "ensino religioso" do colégio católico frequentado pelos filhos? Pois a história não parou na mera solicitação de liberação das crianças das aulas: outros pais uniram-se àquela valente mãe e resolveram montar um grupo de pai católicos. O grupo elaborou um documento relatando todos os absurdos impostos às crianças sob o falso nome de "educação" e solicitaram uma audiência com o arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa!

Leiam aqui o relato do encontro.

Que sirva de exemplo aos pais católicos (e também aos pais protestantes)! Que não nos acovardemos, mas saibamos defender nossas crianças e nossa fé!

Parabéns ao grupo de pais católicos de Belém!

E permaneçamos de olhos abertos, para que a comunhão e o comprometimento de Dom Alberto vá até o fim e faça-o tomar todas as medidas cabíveis contra tais "ensinos" antagônicos à fé cristã.