Pular para o conteúdo principal

O que o homeschooling fez por sua família?

Dias atrás, inspirada por uma página norte-americana, o Simple Homeschool, decidi reunir testemunhos e dar espaço para que diversas famílias contassem um pouco sobre como o homeschooling mudou suas vidas, sobre como as coisas melhoraram a partir do momento em que tomaram as rédeas da educação de suas crianças.

O propósito dessa iniciativa? Fortalecer quem já pratica e encorajar quem ainda não pratica, mas deseja praticar o ensino em casa!

Assim, aqui vai o primeiro depoimento, de autoria da minha amiga Géssica Hellmann, da página no facebook "Valorizando o conhecimento com educação domiciliar".

Logo no início de 2013, estávamos angustiados com a escola que nosso filho mais velho frequentava, tanto pela péssima qualidade de ensino quanto pela distorção dos valores morais em atitudes “politicamente corretas”.
Enquanto tentávamos encontrar uma solução para esse problema, chegou a nossas mãos um artigo muito inspirador da Camila Abadie sobre a prática do Home Schooling.

Foi nesse momento que um mundo novo se abriu diante de nossos olhos. Foram necessárias algumas semanas para que meu marido e eu decidíssemos pela educação domiciliar. Como estávamos no meio do ano letivo, decidimos manter o menino na escola até o final do ano, para iniciarmos essa nova fase com dedicação integral. Foi o período necessário para pesquisar materiais, livros, conteúdos e fazer o planejamento para o ano seguinte.

Diferente do ano anterior, 2014 foi um ano iluminado, criativo e enriquecedor. Nossos dois filhos sentiram-se muito mais autoconfiantes, amigos e felizes. Aprenderam muito mais nesse ano do que inicialmente havíamos planejado.

Hoje são capazes de explicar com suas próprias palavras os assuntos mais variados. Se interessam por conteúdos novos, livros se tornaram seus companheiros inseparáveis.

Estamos confiantes pelo caminho que escolhemos percorrer junto com nossos filhos. Agradecemos a Deus a oportunidade de ajudá-los a crescer na fé, com valores morais e éticos e, a cada dia, valorizando o conhecimento.
Você gostaria de contar a história de como a educação domiciliar mudou a sua família? Então escreva-me! encontrandoalegria@gmail.com ;) 

Comentários

  1. Camile, você e a Géssica são uma benção! Admiro muito as duas e apesar de não praticar a educação domiciliar, hoje sou uma mãe, esposa e pessoa bem melhor e boa parte disso eu devo a vocês. Muito obrigada por compartilhar conosco de algo tão maravilhoso. Deus as abençoe!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

Dicas de planejamento de homeschooling

Muitas famílias homeschoolers já retornaram às atividades de estudos, mas há muitas que, assim como nós, por diferentes razões, espicharam um pouco mais as férias. Assim, apesar da época já um tanto adiantada, resolvi compilar aqui algumas dicas para quem quer fazer um bom planejamento de estudos para este ano mas tem encontrado alguma dificuldade ou simplesmente não tem experiência no assunto.
Antes, no entanto, de passar às dicas propriamente ditas, convém esclarecer que não abordarei aqui a questão dos materiais (qual é o melhor, qual é o pior, onde comprar, se existe para download, etc.). Nas dicas, meu foco será a família, as pessoas envolvidas no homeschool. Por desimportante que possa parecer, se a família não está funcionando bem, há grandes chances de o seu homeschool fracassar.
Todavia, quem precisar de ajuda na seleção/avaliação dos materiais, ou precisar de algum auxílio mais pontual, sugiro duas possibilidades: ou o nosso curso Homeschooling 1.0, onde oferecemos todo o pass…