Pular para o conteúdo principal

Apego e dependência


Olá, pessoal!

Passo aqui para compartilhar com vocês uma resposta que escrevi a uma mãe que me pedia conselhos sobre voltar ou não ao mercado de trabalho após o nascimento do bebê. Suas dúvidas voltavam-se para as objeções frequentemente ouvidas por todos nós sobre o "criar a criança com muito 'apego'" e acabar criando um "vínculo de dependência". Assim como nós, a mamãe em questão não quer errar, quer tomar a decisão certa, e, em seus sentimentos, não quer ficar longe do bebê.

Deixo, logo abaixo, minha breve resposta:
Veja, você usou duas expressões interessantes para comunicar a sua dúvida: "apego" e "dependência". Embora se pareçam, tais coisas não são sinônimos. Apegar-se é algo que faz parte da vida de todos os bebês. Não só dos humanos, mas de todos os bebês do mundo animal, até onde me lembro. Os bebês (e crianças) precisam de um porto seguro, precisam de proteção, precisam da certeza de alguém que cuide deles, que se importe, que não os abandonará. Isso é fundamental para o desenvolvimento emocional saudável da criança. Sem essa referência concreta o que sobra é o medo, a insegurança, a carência e a timidez.

Já a questão da dependência é algo que você, voltando ou não para o trabalho, precisará saber administrar para que não ocorra. Depender é não conseguir/poder/querer fazer nada sozinho e isso não tem a ver com a presença materna, mas com a postura da mãe. Uma mãe que subestima ou mima a criança fazendo tudo por ela criará, obviamente, essa dependência. Você percebe a diferença entre uma coisa e outra?

Além disso, façamos um exercício: as escolas, tal como hoje as conhecemos, surgiram por volta de 1800; já as creches e maternais são um fenômeno muitíssimo mais recente. Como é que a humanidade fazia antes disso e como eram as crianças criadas dessa outra maneira? Não era absolutamente normal permanecer na própria casa, com a própria famílias até a idade dos 7 anos? As crianças, salvo aquelas que enfrentavam outros problemas, não eram perfeitamente normais? Aliás, a maioria das pessoas não era muito mais saudável e normal do que os nossos contemporâneos?

Eu, de minha parte, conforme leio, estudo e vivo a rotina doméstica, fico cada vez mais convencida de que tomei a melhor decisão. Por último, recomendo-te vivamente, intensamente, a leitura de "Maquiavel Pedagogo", da Ed. Ecclesiae (meus posts sobre o livro podem ser lidos aqui e aqui). Ali você verá o que atualmente está por trás da escolarização obrigatória e cada vez mais prematura.

Espero ter levantando algumas questões que te ajudem a tomar a melhor escolha para ti e para tua família.
Eu não canso de me impressionar com o quanto, hoje em dia, o amor, o afeto, a família, a dedicação aos semelhantes têm sido desnaturalizados. Tornou-se incrivelmente  estranho uma mãe que queira ficar junto ao seus filhos, especialmente em seus primeiros anos de vida, mas não é estranho uma mulher que não queira filhos e os substitua (até em palavras) por bichos. E isso tornou-se estranho não só entre o povo em geral, mas mesmo entre mulheres cristãs.

Lembro-me aqui de uma senhora cristã muito querida que, certa feita, vendo-me com o Benjamin ainda bebê, disse-me sem pestanejar: "Esse daí tu vais ter que matricular na escolinha." Como se me dissesse: "Tu não aguentarás essa praguinha muito tempo e desejará livrar-te dele tão cedo quanto possível." Olhando para trás não deixo sempre de me espantar com a postura da referida senhora, a qual, apesar da idade e da fé, deixou-se levar por uma mentalidade torpe que diz às mulheres que elas não são capazes de dar conta de seus filhos e de serem felizes assim.

De fato, crendo que há um "plano B" (como delegar a criança a terceiros), uma saída fácil, que os filhos são um fardo, torna-se realmente muito difícil dedicar-se ao criar novas e boas pessoas. No entanto, crendo que isso é o que de melhor se pode fazer, que apesar de não ser fácil é perfeitamente possível, que filhos são bênçãos eternas, verdadeiros presentes de Deus, então o desafio torna-se estimulante e cheio de alegres recompensas.

Comentários

  1. Que inspiração! Doce, profundo, sábio e perfeito, como sempre, Camila...

    ResponderExcluir
  2. Ola Camila, eu e meu marido sempre damos este testemunho…Tenho um filho de 4 meses e sai do trabalho para cuidar dele por tempo indeterminado…Eu lecionava numa escola de musica. um dos meus alunos de 4 anos apenas conseguiu fazer um exercicio na bateria, proporcionando a possibilidade de ensaiar com os meninos maiores, ficou realmente muito interessante então eu disse: "Vamos mostrar pra mamae? Ele disse: " não quero, quero mostrar proo Marcos…Ele era o motorista. Uma aluninha de 5 anos que fazia tenis ingles musica balê e a mae colocou no IOGA porque a criança estava estressada. um outro aluno de 7 anos já mal carater quase deu um soco na minha barriga quando eu estava gravida, detalhe ele falava três linguas, mais o portugues… todos eles conviviam com babas e motoristas…e que num periodo de um ano mudavam muitas vezes…é Camila……não precisamos de mães ricas. precisamos de mães sabias. ( Proverbios 14,1). um grande muito sucesso e realizacøes pra vc. Ass: Katia e Claudio ( facebook/missa.tarso)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.
Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora…