Pular para o conteúdo principal

Os elogios, as críticas e o amor

Uma amiga do facebook fez-me, a mim e ao prof. Carlos Nadalim, uma pergunta muito interessante, a qual decidi, com algumas adaptações, compartilhar aqui com vocês: Como criar uma criança virtuosa sabendo como e o quanto elogiá-la, sem torná-la vaidosa?

Minha amiga, ao ler a história de Santa Teresinha, deparou-se com o relato de uma ocasião em que seu pai sinalizou a uma terceira pessoa para que não a elogiasse. Por conta disso, Santa Teresinha afirma ter crescido sem importar-se com a admiração alheia, e tornando-se, assim, humilde. Que grande questão, não?
Penso que não exista receita pronta. Uma regra que valha para todas as famílias e todas as crianças. É preciso levar em conta as inclinações da criança e o tipo de elogio que lhe são feitos. Por exemplo, se a criança é tímida, mais introspectiva, um pouco insegura, penso que elogios só a ajudarão. Mas elogios sinceros, nada de bajulação ou puxação de saco. Já se a criança é bastante segura de si, extrovertida, falante, é bom pegar leve. Não se trata de não elogiá-la, mas de perceber quando a ocasião em que um elogio é realmente importante: numa situação nova, desafiadora, em algo especialmente difícil ou que ela não deseja fazer... Mas, novamente, elogios sinceros, sem bajulação. Enfim, é preciso saber dosar considerando a criança e a ocasião.

Além disso, há o outro lado da moeda: a crítica. A criança também precisa saber lidar com a recriminação quando não faz o que é certo ou o que deveria ter feito. Saber comunicar o peso do problema também ajuda a equilibrar as coisas psiquicamente. Uma criança que só é elogiada e jamais repreendida ou criticada muito provavelmente se tornará arrogante, vaidosa e menosprezará os demais. Uma criança que é elogiada e repreendida ou criticada nos momentos certos, ao que me parece, tenderá a dar uma melhor medida para as coisas e para si mesma, sabendo que não é o centro do universo nem a pior criatura do mundo, entende?

Não sei se ajudei ou se piorei as coisas com tanta explicação.

Resumindo: penso que as crianças não devam ser tolhidas de ambas as coisas, elogios e críticas, pois ambas fazem parte da vida e de nós mesmos. Mas é preciso sabedoria para ver o que a criança precisa mais, quando e como.

Agora, voltando ao caso de Sta. Teresinha... Veja, como ela era uma menina que sabia ser profundamente amada pelos pais e, por isso mesmo, segura de si, o gesto paterno não a magoou, não a fragilizou, mas, ao contrário, a fortaleceu, pois aquele que era o principal responsável por nutri-la emocionalmente, seu pai, havia cumprido bem o seu papel. Mas, imagine se ele não tivesse cumprido bem o seu papel: ao vê-lo impedindo o gesto de louvor de uma terceira pessoa, penso que Sta. Teresinha provavelmente se sentiria diminuída ou lesada de algum modo.

No fundo, no fundo, o que importa mesmo é a criança saber-se amada. Isso fará toda a diferença no lidar com os elogios e com as críticas. Ela precisa saber que o amor dos pais independe dos seus erros e acertos. Nada é mais importante, em se tratando de uma verdadeira educação infantil, do que imprimir uma marca profunda na alma da criança, uma marca que dê a ela a certeza invencível de que é muito, muito amada. Todo o restante depende disso. Esse amor é algo que lhe devotamos pelo simples fato de existir, nada a mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.
Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora…