sábado, 10 de maio de 2014

Um sábado qualquer numa história especial


Dias atrás eu havia começado um post "cabeção" para o dia das mães, um troço mais profundo, mais longo e tal... que ainda será publicado... Mas este início de sábado foi tão bom, tão trivial e tão singelo que meu desejo foi simplesmente deixá-lo registrado aqui, compartilhando-o com vocês.

Acordei cansada, como de costume, porque sigo dando mamá sempre que o Nathan quer, ao longo de toda madrugada. Sete horas da matina, mas parecia três. Bora levantar. Dia de levar a Chloe à aula de piano. Caminhadinha boa na companhia da minha filhota. O dia amanheceu friozinho, com uma brisa boa de outono, e o céu aberto. Conversamos sobre muitas coisas, especialmente sobre governo. :D

Depois da aula, passamos na feirinha de orgânicos que há no caminho. Encorajei-me, levei uns trocos a mais e comprei coisas que me desafiam: temperos! Sim! Temperos para criar o sabor, sem comprá-lo pronto, empacotado, enlatado, "batizado". A meta é um caldo de carne com osso boco, coisa que nunca fiz na vida! E a Chloe ali comigo, conhecendo coisas, cheirando, conversando, curtindo.

Logo após fomos a um lugar que amo, mas que não visitava há mais de 15 anos: uma loja especializada em produtos para patchwork e ponto cruz. Por volta dos meus 17 anos fiz um curso de ponto cruz com avesso perfeito nessa mesma lojinha. Voltar até lá, levando a Chloe comigo, mostrando a ela os produtos, explicando as coisas, despertando o interesse e a curiosidade dela, foi muito especial. Comprei meio metro de etamine para bordar um presente de casamento de uma amiga (o casamento é no próximo dia 06! pray for me, folks!).

Por último, açougue. Bate-papo com o açougueiro. Ele se compadeceu da néscia aqui. Chloe rindo, mas com nojo daquele monte de carne. Deus abençoe as vaquinhas por serem tão gostosas.

Chegamos em casa cansadas, mas gratas e felizes. Passeamos juntas, sozinhas, como só aos sábados de manhã conseguimos fazer. E como foi bom! A Chloe, minha pequena (que de pequena não tem nada) tornou-se uma menina companheira, engraçada, inteligente! Como eu poderia imaginar que apesar de toda a minha inépcia Deus me agraciaria com uma filha tão especial! Como eu poderia imaginar que Deus me mudaria tanto, mas tanto ao ponto de eu sentir-me feliz cozinhando, cuidando da minha família com prazer de verdade!

Como disse a uma prima, a única frase que resume perfeitamente tão inesperada alegria é: "ali onde abundou o pecado, superabundou a graça" (Romanos 5:20). Deus, meu amado Pai, em sua sabedoria infinita e em seu imensurável amor, resolveu dar-me uma nova vida na qual eu nem mesma me reconheço e onde sou incomparavelmente mais feliz! Obrigada, meu Deus, pela minha família, pelos meus filhos, mas especialmente pela Chloe, pois foi com ela e por causa dela que tornei-me mãe, coisa que jamais deixarei de ser, pelo resto dos meus dias.

Agradeço ainda por minha própria mãe, que contra quase tudo e quase todos, decidiu trazer-me à luz. Agradeço ainda por Maria, mãe do meu Senhor e minha mãe também! Modelo e consolo para sempre!

E a você, meu leitor, obrigada pela visita. Que Deus te dê, neste dia tão feliz, um tempo especial de gratidão, mas também de esperança e de fé, com o desejo ardente de viver uma vida rica, alegre e feliz em família! Sim, embora o mundo inteiro diga que "não", é possível uma vida familiar feliz e duradoura!

3 comentários:

  1. Muito lindo, Camila, mais "cabeção" que isso impossível! Que vocês continuem sendo uma inspiração e que Deus continue os abençoando!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, lindo texto simples mas de muito conteúdo reflexivo. Exemplo de mãe...

    ResponderExcluir
  3. Lindo simplesmente por ser real e verdadeiro. A vida é assim a graça de vermos a beleza do amor de Deus a cada momento do dia! Que Deus abençoe a você Camila e todos os seus. Bom dia das mães, de hoje até o sempre!

    ResponderExcluir