quarta-feira, 28 de maio de 2014

A primeira aula de latim da Chloe

Ontem à tarde Chloe teve sua primeira aula de latim. Éramos eu, ela, Benjamin, Nathaniel e o professor, Clístenes Hafner Fernandes, na sala do Instituto Hugo de São Vítor, também conhecido como Confraria de Artes Liberais.

Chloe estava exultante. Antes, durante e após a aula. Mas, confesse, desde o parágrafo anterior você deve estar com uma pergunta na cabeça: "Como, raios, se ensina uma coisa tão antiga (e antiquada?) a uma criança que ainda nem domina a gramática do português?". Ou talvez você ainda tenha mais outra pergunta: "Por que ensinar justamente o latim?". 

Em resposta ao primeiro questionamento, digo que não há mistério. Tudo começou com uma pergunta da Chloe, uma pergunta que ela me havia feito em casa e que eu, em lugar de responder, sugeri que a fizesse ao professor: "De onde veio o latim?". A partir daí o prof. Clístenes teceu uma longa e divertida exposição histórica que encerrou-se minutos depois com o mito de Zeus e Europa. Passado este primeiro momento, Chloe foi apresentada ao primeiro texto latino: alguns pequenos parágrafos com frases elementares. Daí originou-se um pequeno vocabulário e uma leitura em voz alta. Por último, chegou a vez das frases-chave que usamos ao conhecermos alguém: Quem é você?; Quem é o seu pai?; entre outras.






















Chloe gostou tanto, mas tanto da aula que ao chegar em casa foi imediatamente rever tudo o que foi visto durante aquela uma hora que passou voando. Ah, sim: Há material didático em língua latina desenvolvido para o aprendizado de crianças. É antigo e difícil de conseguir, mas creio que o professor Clístenes seguirá uma "receita própria", valendo-se do que há disponível mas também incorporando práticas que sua experiência como professor mostraram ser eficazes.






















Eu, de minha parte, fiquei feliz como quem começa a realizar um sonho: o sonho de dar aos meus filhos aquilo que não tive. Embora a frase seja clichê, não me refiro a coisas materiais, pois isso eles terão condições de sobra para conquistar por conta própria se assim o quiserem. Refiro-me àquela educação que não recebi e da qual sinto falta até hoje, uma educação que me vincule com o que de melhor a humanidade já foi e já produziu. Uma educação que chegou até nós, brasileiros, num passado não tão distante, mas que foi abandonada e, hoje, é ridicularizada.

Mas para quem permanece sem entender direito o motivo pelo qual decidimos oferecer o estudo do latim aos nossos filhos, e, portanto, ainda está sem resposta à segunda questão, listo aqui algumas das muitas vantagens que a língua de Cícero oferece:
  • O estudo do latim facilita o aprendizado de praticamente qualquer outra língua que o tenha em sua raiz (o espanhol, o francês, o italiano, o romeno). Vale notar que grande parte do que há de melhor em literatura encontra-se em língua francesa;
  • Por sua própria estruturação, o aprendizado do latim facilita a organização do pensamento, da fala e, consequentemente, também da escrita. Estudar latim é quase metade do caminho para o estudo da lógica;
  • Possibilita o acesso, em primeiríssima mão, a obras, textos e documentos históricos sobre os quais a civilização ocidental foi erigida. Ou seja, minha filha poderá apropriar-se de verdade do que há de melhor no legado dos antigos, sem depender de comentadores e intérpretes nem sempre confiáveis;
  • Restaurar, ao menos no plano individual, a antiga qualidade da educação brasileira. Sim, há menos de um século era possível encontrar pessoas que sabiam latim (e ainda um outro idioma, geralmente o francês) e que haviam recebido uma educação comum, acessível a todos (ou à maioria);
  • Livre acesso aos textos, documentos, hinos e canções da nossa fé, a fé cristã, que ainda hoje vale-se do latim para expressar-se, transmitir-se e adorar a Deus.
















Precisa de mais razões? :)

Se você é aqui de Porto Alegre ou da região metropolitana e tem interesse em oferecer latim à formação dos seus filhos, entre em contato comigo. Terei o prazer em passar-lhe todas as informações sobre as aulas do professor Clístenes. ;)

6 comentários:

  1. Camila, durante a faculdade eu estudei latim e isso me ajuda em análise sintática. =)
    Beijos!

    Silvia.

    ResponderExcluir
  2. Louvado Seja Deus! Que bom que seus filhos terão acesso a aulas de latim! Ano passado comecei a ensinar em casa aos meus (sem ter aprendido) e foi uma catástrofe, mais pela minha desorganização e falta de método do que pelo interesse das crianças. Esse ano encontrei um livro que julguei muito bom, voltado para alunos do antigo primeiro ano ginasial e que é bem didático e pretendo recomeçar. Se interessar, o nome do livro é Latim para os alunos - primeiro ano, de Carlos Torres Pastorino.

    ResponderExcluir
  3. Camila,
    parabéns pela excelente iniciativa para a sua filha. Gostaria de ter aprendido latim, entretanto....
    Ouvi dizer que o Latim ajuda muito nas ciências exatas, por facilitar o aprendizado de Matemática. O prefácio da Gramática Latina de Napoleão Mendes de Almeida discorre sobre isso

    ResponderExcluir
  4. Tenho 43 3 vou fazer, ainda este ano 44, e quero muito que milha filha aprenda latim.

    ResponderExcluir
  5. Quero muito que minhas filhas apendam latim, Tenho 3. Gostaria de mais informações e dicas.
    Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sania!

      Vocês moram em Porto Alegre ou na região metropolitana? A única dica que tenho é para que você traga as suas meninas para a Confraria de Artes Liberais, que é onde acontecem as aulas. :) Mas tudo depende de onde você mora.

      Quem sabe você me manda um email? encontrandoalegria@gmail.com

      Excluir