Pular para o conteúdo principal

A vida cristã na infância

Dias atrás publiquei um post que tornou-se bastante compartilhado no facebook. Dizia o seguinte:
Eu juro que não entendo. O pessoal deixa a criança por duas horas no cultinho infantil de domingo ou leva a criança à missa uma vez na semana e, durante o resto do tempo, deixa a criança entregue às novelas, aos desenhos, aos vídeo games dos mais violentos e esperam ainda que as criaturinhas sejam discípulas de Cristo! É uma luta MUITO desigual! É mais ou menos como exercitar-se por 2 horas semanalmente e nas outras muitas horas entregar-se a todo tipo de comilança! Não funciona! Não tem como dar certo! Você nunca terá um corpo atlético desse jeito, assim como seu filho nunca se tornará um cristão se continuar recebendo essas informações díspares e esse evangelho em pequenas quantidades. Pais, vocês PRECISAM SE DECIDIR: ou investem para valer na vida interior e espiritual de suas crianças ou as entreguem de vez ao mundo. Ou uma coisa, ou outra. O que não é possível, o que é intolerável é você não oferecer suprimento espiritual adequado e depois exigir que a criança torne-se um exemplo de cristã assim, do nada. Isso é pura hipocrisia.
Mas para não ficar apenas na crítica, resolvi deixar aqui mais uma importante dica. Uma das armas mais eficazes na semeadura de bons valores e no auxílio ao desenvolvimento da vida interior das crianças é, sem dúvida, a literatura. Assim, a sugestão deste post é o já mencionado livro "Braz e a primeira comunhão", da nossa velha conhecida, a excelente Condessa de Ségur.

Trata-se, sem exagero, de um dos textos que mais bela e concretamente descreve a busca da santidade por uma criança. Braz é o exemplo de menino piedoso, ou melhor, de uma rara piedade, aquela piedade comum aos santos, enquanto Júlio é o seu exato oposto. Entre sofrimentos, injustiças, perseguições, lágrimas e dores, vemos Braz conformar-se à cruz de Jesus - mas sem tolices, pieguices ou falsidades, como uma compreensão caricata de santidade poderia fomentar -. Tal conformação produz uma reviravolta das mais profundas e belas em todos ao seu redor, especialmente em Júlio.

Recomendo vivamente o livrinho, especialmente aos pais católicos que têm filhos meninos. Claro, pais protestantes também podem fazer muito bom proveito, desde que façam as distinções e esclarecimentos necessários no tocante à primeira comunhão - sacramento mencionado no título mas que só aparece ao final da obra e rapidamente.
Por último, deixo aqui um dos muitos trechos comoventes da história de Braz e Júlio:
Braz, quase chorando, falou:
- Patrão, Júlio, sou eu que lhes perdôo a injustiça, apesar de valerem tanto e eu, tão pouco. Algum dia a verdade há de aparecer. Quero que saibam desde já que lhes perdoei com toda a sinceridade.
Braz abriu a porta e saiu antes que o conde voltasse a si do espanto que lhe causaram aquelas palavras. Pai e filho ficaram calados. Júlio estava visivelmente constrangido. Era evidente que não tinha a consciência limpa.

Porém, como invocarão aquele em quem não têm fé? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar, se não houver quem pregue
Romanos 10:14
Porém, como invocarão aquele em quem não têm fé? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar, se não houver quem pregue
Romanos 10:14

Comentários

  1. Querida Camila, quero deixar aqui o meu agradecimento pelo belo trabalho realizado neste blog. Em especial agradecer a dica do livro "Braz e a Primeira Comunhão". Comecei a lê-lo para as crianças. Eles estão amando, pois se identificam muito com os personagens e com as peripécias infantis. Dezenas de valores que são transmitidos a cada página. Mais uma vez, obrigada! Um super beijo e fiquem com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este é mesmo um grande livro, Mari. De todos os que li de autoria da Condessa, "Braz e a primeira comunhão" tornou-se o meu favorito. Fico muito feliz por saber que suas crianças gostaram!

      Um abraço e que Deus os abençoe!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

Dicas de planejamento de homeschooling

Muitas famílias homeschoolers já retornaram às atividades de estudos, mas há muitas que, assim como nós, por diferentes razões, espicharam um pouco mais as férias. Assim, apesar da época já um tanto adiantada, resolvi compilar aqui algumas dicas para quem quer fazer um bom planejamento de estudos para este ano mas tem encontrado alguma dificuldade ou simplesmente não tem experiência no assunto.
Antes, no entanto, de passar às dicas propriamente ditas, convém esclarecer que não abordarei aqui a questão dos materiais (qual é o melhor, qual é o pior, onde comprar, se existe para download, etc.). Nas dicas, meu foco será a família, as pessoas envolvidas no homeschool. Por desimportante que possa parecer, se a família não está funcionando bem, há grandes chances de o seu homeschool fracassar.
Todavia, quem precisar de ajuda na seleção/avaliação dos materiais, ou precisar de algum auxílio mais pontual, sugiro duas possibilidades: ou o nosso curso Homeschooling 1.0, onde oferecemos todo o pass…