quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Para que eles cresçam


Hoje foi um dia de pequenas grandes conquistas.

Há tempos Chloe vem demonstrando ainda mais vontade de ajudar nas tarefas de casa e de aprender coisas novas, especialmente cozinhar. Durante toda a semana ela espontaneamente tem lavado a louça do almoço, uma tarefa extra além da arrumação obrigatória do próprio quarto. Hoje, no entanto, como havia tempo, resolvi deixá-la participar um pouco mais dos afazeres culinários e deixei que preparasse sozinha um ovo mexido com queijo que virou um dos acompanhamentos do seu almoço.

Foi com alegria que a vi preparando toda a simples receita com cuidado e felicidade. Na hora de comer o resultado não foi tão ao seu agrado quanto a preparação, de modo que mais ou menos metade do ovo ficou para a mamãe, mas tudo bem. Um passo a mais no caminho da autonomia e da autoconfiança.

À tardinha, outra conquista: Benjamin finalmente conseguiu fazer xixi sem a fralda. Reproduzo aqui o post que fiz lá no facebook:
- Mãe, minha "biga" tá cheia!
- Então faz xixi, Bibi.
- Não consigo!
- Imagina que tu ainda está de fraldinha.
- Mas eu não tô!
- Pensa, imagina a fraldinha...
3 segundos depois: xiiiiii... E um rostinho iluminado de alegria por conseguir fazer xixi como o papai. \o/
Por último, na hora da janta, resolvi "liberar geral" e deixar o menino comer totalmente sem o meu auxílio e supervisão. Não foi uma decisão tomada voluntariamente, mas eu não queria deixar o Nathaniel chorando enquanto dava de comer ao Bibi. Assim, babeiro posto, prato preparado, deixei-o, pela primeira vez, totalmente sem ajuda. E qual foi a minha surpresa ao constatar que ele deu conta do recado muitíssimo bem, obrigada! Por ser um menino extremamente meticuloso, não deixou que mais de dois grãozinhos caíssem do prato, a cada colherada organizando o montinho de comida.

Agora, diante da tela do computador, chego à mesma conclusão a que cheguei outras vezes, em outras ocasiões, e parafraseio João Batista: é necessário que eles cresçam e eu diminua. Sim. Para que as crianças se desenvolvam é preciso que as deixemos um pouco por conta própria e que nos retraiamos outro pouco, tirando o time de campo e confiando em Deus e na própria natureza para que novas habilidades sejam desenvolvidas e novos patamares sejam atingidos. E como é gratificante ver que, naqueles aspectos em jogo, o cuidado e o preparo até então vigentes estabeleceram uma base sólida a partir da qual a criança pode ir - e de fato vai - mais longe!

Por outro lado, parece-me que muitas vezes o excesso de zelo materno e paterno é na verdade insegurança: um medo de não saber o que fazer se a situação não sair conforme o esperado. E com isso quem mais sai perdendo é a própria criança, que é dificultada em seu crescimento por conta de pais superprotetores.

Sim, sim, tudo isso por causa de um ovo mexido, um xixi no penico e uma janta com as próprias mãos, mas quem de nós pôde dar-se ao luxo de pular tais etapas? ;)

3 comentários:

  1. Camila,
    podem me chamar de boba, mas não consegui não me emocionar com suas palavras.
    São coisas simples, cotidianas, particulares à sua família mas comum a todas as outras e eu percebi o quanto eu ainda os mantenho presos a mim.
    Parabéns pelo ovinho da Chloe! Parabéns pelo xixi e pelo prato vazio do Benjamim! Parabéns por construir uma linda família com seu esposo! Parabéns, sim!!! Não há muitas mães dispostas a se diminuírem para que seus filhos cresçam...
    Tens minha admiração e oração constante.
    Amamos sua família como se nos conhecêssemos há tempos.
    Grande abraço
    <3

    ResponderExcluir
  2. Querida Janine, suas palavras e seu carinho me comovem.
    Muito obrigada por tudo, especialmente pelas orações!
    Deus permita que possamos um dia nos encontrar pessoalmente e experimentar ao vivo o que sentimos via web.
    Um grande abraço em todos vocês!

    ResponderExcluir
  3. Olá Camila!
    Acompanho o seu blog já há algum tempo e fiquei tão emocionada com o seu texto que não pude deixar de comentar. Mas depois de abrir a página de comentários e me deparar com o comentário da Janine achei que já não seria necessário escrever mais nada. Faço minhas as palavras dela!!!!

    ResponderExcluir