Pular para o conteúdo principal

Leituras das férias

Há tempos prometi contar para vocês qual foi o presente que as crianças ganharam de Natal de uma de nossas leitoras. Cumprindo a promessa, vejam só que maravilha: o box "Conta outra vez", composto de oito livros do Monteiro Lobato. 


Cada livrinho é uma história independente, mas a maioria são releituras que Monteiro fez de vários clássicos. Há um volume sobre as fábulas de Esopo, outro sobre Dom Quixote, outro sobre Peter Pan, o Minotauro, o Hans Staden, histórias de tia Nastácia, histórias diversas e o que temos lido todas as tardes: Os doze trabalhos de Hércules. Cada história possui ilustrações feitas por artistas diferentes, nem todas boas, infelizmente.

As crianças têm amado esse primeiro contato com o mundo antigo, apesar de todas as diferenças existentes entre nós e eles. E dentre todas as diferenças, a mais gritante certamente é a teológica, entre os muitos deuses antropomórficos gregos e o Deus cristão. Mas, apesar do que inicialmente esperávamos (alguma espécie de confusão, em alguma medida), Chloe facilmente separou as coisas ao lembrar-se da passagem do Livro de Atos, capítulo 17, na qual o apóstolo Paulo fala aos atenienses a respeito do Deus desconhecido.

Mas é claro que dona Chloe não conteve a curiosidade e já começou a ler por conta própria pelo menos uns outros dois ou três volumes da série.

Em breve conto mais sobre os outros livrinhos que temos lido.

Comentários

  1. A literatura infantil de Lobato é excelente. Creio que li quase todos os que foram publicados antigamente do Sítio do Pica-Pau Amarelo, aquela série que tinha aqueles livrões enormes e grossos (Até hoje lembro da história do minotauro, que sequestrou a Anastácia, e acabou gostando dos bolinhos dela. kkkkkkkk muito massa). Nada comparados aos resuminhos sofríveis que publicam hoje em dia. Melhoraram as gravuras, pioraram o mais importante do livro - o texto!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.
Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora…