Pular para o conteúdo principal

Férias. Férias? Férias!

Este tem sido um ano inesperadamente especial, embora dramático em ocasiões diversas. Muitas coisas mudaram, assim como muitas coisas novas aconteceram. Comecei a compartilhar sobre minha família com vocês aqui no blog. Retiramos Chloe da escola. Abandonamos o protestantismo e tornamo-nos católicos. Perdemos amigos. Ganhamos inimigos. Conquistamos amigos. Recebemos, diretamente de Deus, cheio de saúde e paz, nosso Nathaniel, o terceiro filho. Começamos o programa na Rádio VOX. 

Como vocês vêem, muitas coisas para um ano só. Como vocês não vêem, mas por certo podem imaginar, o fastio já dá sinais. Dias atrás é que apercebi-me dele, quando senti um desejo de férias. 

Mas, afinal, em que consistem as tais "férias" para uma mãe que educa os filhos em casa e cujo marido não entrará em férias? Não, não se apiedem de mim. Não tenho lá grandes desejos por viagens no momento. Nem sinto a menor vontade de ficar longe dos meus filhos ou de minha casa. Para mim, as férias serão um tempo especial em que me permitirei focar noutras coisas, naquelas que, em geral, eu não me permito por estar concentrada totalmente na família.

As minhas férias, queridos leitores, não exigem muito, mas, no entanto, possibilitam imensidões: sem as aulas diárias, sem as muitas e necessárias pesquisas, sem o programa na Rádio VOX, sem as constantes atualizações do blog, sem as conexões instantâneas ao facebook, minhas férias me levarão diretamente para a França do século XIX, depois, a um retiro espiritual de valor inestimável, e, além disso, ao Império Romano. Sim, minhas férias estão condensadas em algumas milhares de letras, em poucas centenas de páginas. E eu não preciso de mais. E eu não quero mais. Não agora.

Eis aqui minhas férias: um clássico da literatura universal, um clássico da espiritualidade cristã e aulas de latim via web.

Creio, sinceramente, que neles obterei o fôlego que preciso para voltar com novo ânimo às aulas, às pesquisas, ao blog, ao programa na Rádio e ao facebook.

Até lá, aproveitem! Mas, como aconselhou o apóstolo, "remindo o tempo, pois os dias são maus".



http://www.rafaelfalcon.net/

Comentários

  1. Adorei a ideia do curso on line de Latim, estou pensando em fazer :)

    Boas férias! :D

    ResponderExcluir
  2. A Chloe saiu da escola então! Boa sorte Camila! Que Deus ilumine você e sua família. E que você volte logo a postar. Adoro ler seu blog. Acho que inspira muita gente, assim como me inspirou e ainda me ajuda bastante. Boas férias!

    ResponderExcluir
  3. Bom descanso e boas férias para vocês! =)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.
Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora…