Pular para o conteúdo principal

E o Bibi?

"Varrendo". Junho de 2013.
Alinhando os "mimomós" na cama da mana. Junho de 2013.
Caprichando no Aslam. Novembro de 2013.

Dias atrás recebi uma pergunta de uma leitora a respeito de o que eu faço com o Benjamin enquanto a Chloe estuda. Bem, esse é um desafio interessante, especialmente para as mamães homeschoolers que têm filhos em diferentes idades. E quanto mais filhos, maior o desafio. :)

O Benjamin fará 3 anos em janeiro. Está naquela fase também conhecida como "adolescência do bebê", sinônimo de ciúmes, rebeldia e muita competição. Assim, é mais do que esperado que, quando ele veja Chloe estudando, queira estudar também. No entanto, por maior que seja o interesse, a capacidade de concentração é pequena, de modo que o "estudo" é uma atividade leve, proporcional à idade e às habilidades motoras dele.

Inicialmente, bastavam umas folhas e alguns lápis, mas ele logo percebeu que aquilo não era sério o bastante para valer como uma aula. :) Então passei a aproveitar os momentos em que Chloe não precisava da minha supervisão (cada vez mais frequentes) para ajudá-lo a realizar algo "difícil". Algumas vezes começamos a montar as letras do alfabeto com pininhos de encaixe, outras vezes usamos os livrinhos do Kumon correspondentes à idade dele, especialmente o de traços e o de recortar.

O mais impressionante, contudo, tem sido o aproveitamento dele das aulas de inglês da Chloe. Como parte das aulas tinham musiquinhas e, agora, têm palavras e frases para serem repetidas, ele entra no clima e repete também. Claro, a pronúncia dele não é boa, mesmo em português, mas a memória já começou a reter os conteúdos e coisas como "Hello! Good morning!" ele já diz com segurança.

É importante lembrar que tudo dura pouco tempo e que não há uma exigência real de desempenho, embora eu sempre o estimule a caprichar e fazer "bem bonito", mas o melhor de integrá-lo em nossa aula é que o interesse dele vai crescendo e a familiaridade com a rotina de estudos também. Estudar, para o Bibi, já é tão legal quanto brincar.

Enfim, já não é uma dificuldade "ensinar" duas crianças de idades diferentes ao mesmo tempo. Como dica, sugiro aos pais que estão em situação semelhante, que, primeiro, preparem previamente os conteúdos a serem trabalhados com a criança mais velha; segundo, procurem elaborar enunciados de fácil compreensão, se necessário com exemplos, para que ela tenha mais autonomia na realização da atividade; terceiro, tenha "cartas na manga", isto é, ideias de brincadeiras com as quais a criança menor possa ocupar-se durante a aula do(a) irmão(ã) mais velho(a); quarto, tenha paciência e seja flexível o bastante para mudar os planos de vez em quando. :)

Comentários

  1. Apesar de Clara ser matriculada em educação escolar percebo alguns traços de educação domiciliar aqui em casa. Realmente é um desafio educar crianças em idades diferentes, mas com criatividade, paciência e amor conseguimos.

    ResponderExcluir
  2. Realmente, o tempo de concentração é bem menor. É por esta razão que leio pequenas histórias.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.
Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora…