Pular para o conteúdo principal

A bordo do Peregrino da Alvorada! Ou quase...

De todas as atividades temáticas feitas até agora, essa foi a mais marcante e divertida!
 
O último sábado foi um dia lindo aqui em Porto Alegre. O céu estava aberto e um vento fresquinho soprava forte, dando aquela sensação agradável e cheia de vida que somente a primavera traz. Deu-se a ocasião certa para irmos passear de barco!

As crianças nunca haviam feito um passeio assim, e como A viagem do Peregrino da Alvorada é um dos livros mais legais d'As crônicas, na opinião da Chloe, achei que ela ficaria feliz ao navegar pelo lago Guaíba (sim, é lago mesmo, não rio), relembrando as aventuras do príncipe Caspian, Edmundo, Lúcia, Eustáquio e Ripchip.

O plano original era um passeio a bordo do Cisne Branco, um barco de fato. No entanto, a viagem no Cisne, além de ser bem mais cara, durava 2 horas ao todo, pois passava por todas as ilhas-bairros. Assim, achamos melhor adaptar os planos para seguirmos de catamarã até Guaíba, uma cidade vizinha. A viagem a bordo do CatSul leva apenas 20 minutos (um tempo bem mais fácil de uma criança suportar, especialmente o Benjamin) e custa beeem menos. Além disso, aproveitaríamos para conhecer um pouco de Guaíba.

E lá fomos nós!

A alegria da menina. <3
Nosso querido Nescau!, digo, Guaíba!
Desembarque em Guaíba.
Um ventão de bagunçar a cabeleira!
Parte da vista do restaurante Voga, onde almoçamos.
Graças a Deus com um espacinho para as crianças brincarem.
As únicas coisas de que não gostei em nosso passeio foram:
1. O CatSul possui duas televisões imensas que permanecem ligadas transmitindo o telejornal durante o passeio inteiro. Parece-me que hoje em dia um número cada vez menor de pessoas sabe apreciar as paisagens; =/

2. Os valores dos imóveis em Guaíba foram às nuvens com a ampliação da fábrica de papel da cidade. Chegamos a cogitar uma mudança, pois é uma cidade bem menor e mais tranquila que Porto Alegre, mas, quando soubemos da ganância local, desistimos: casas que custavam cerca de R$ 1.500 saltaram para R$ 5.000. Tão Brasil... =|

Mas essas são coisas que incomodam adultos, não crianças, e elas aproveitaram bastante. :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.
Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora…