Pular para o conteúdo principal

Observações sobre o post de ontem

Dois leitores do blog, conforme vocês podem conferir nos comentários ao post de ontem, levantaram a objeção de que a matéria do G1 não menciona a importação de professores para as salas de aulas brasileiras. Achei por bem ir atrás de mais indícios que sustentem a minha interpretação de que, apesar de não ser explicita, tal é a intenção do governo. E aqui vão eles:

Primeiro indício: Como disse ainda ontem, nos comentários, o Programa Mais Professores inspira-se no Programa Mais Médicos;

Segundo indício: Além disso, como também já havia dito, o Programa usa explicitamente a palavra "visitantes" em seu nome, mesmo que em sua versão provisória: "Programa Nacional de Professores Visitantes na Educação Básica – Mais Professores";

Terceiro indício: Assim como o Programa Mais Médicos aparentemente pretendia ser voltado aos profissionais brasileiros, o Programa Mais Professores também o pretende. No entanto, a baixa remuneração oferecida e a falta de respaldo legal fez com que os médicos brasileiros não "suprissem a demanda", de modo que o governo federal foi "forçado" a abrir-se aos estrangeiros;

Quarto indício: A Venezuela, por exemplo, como boa cobaia que é, vive os efeitos nefastos de um programa ao mesmo estilo, o chamado "Missão Ribas de Alfabetização", totalmente baseado nas teorias de Paulo Freire, isto é, puro e simples emburrecimento, aliado à doutrinação ideológica esquerdista;

Quinto indício: Como a questão não é melhoria da qualidade de vida dos brasileiros, mas disseminação ostensiva de militantes entre as mais diversas esferas da sociedade civil, o governo já estuda também a importação de engenheiros para cá;

Sexto indício: Quando um esquerdista, refiro-me ao Mercadante, afirma, rindo, que não vai fazer algo, o que se pode esperar senão exatamente o contrário? Ou alguém aí já esqueceu, por exemplo, da promessa feita por Dilma de não legalizar o aborto e, no entanto, tão rápido quanto possível, convidar uma abortista confessa, Eleonora Menicucci, para assumir como ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, sem contar a recente tentativa de modificar a lei que trata da matéria?

Deixo aqui alguns outros links que tratam dos Programas Mais Médicos e Mais Engenheiros, para que se compreenda melhor a questão e seus prováveis desdobramentos:

Por último, um breve exercício de imaginação:

Há uma porção de estranhas embalagens distribuídas ao longo de um perímetro. Em seguida, ao aproximar-se, você sente o cheiro de explosivos vindo delas. Algumas embalagens explodem, mas, por sorte, todas longe de você. Perguntas: É realmente necessário que esteja escrito TNT sobre cada embalagem para que você conclua que se tratam de explosivos? Você ficaria aguardando o pior ou advertiria em altos gritos as pessoas ao redor para que saíssem de perto o mais rápido possível?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

Dicas de planejamento de homeschooling

Muitas famílias homeschoolers já retornaram às atividades de estudos, mas há muitas que, assim como nós, por diferentes razões, espicharam um pouco mais as férias. Assim, apesar da época já um tanto adiantada, resolvi compilar aqui algumas dicas para quem quer fazer um bom planejamento de estudos para este ano mas tem encontrado alguma dificuldade ou simplesmente não tem experiência no assunto.
Antes, no entanto, de passar às dicas propriamente ditas, convém esclarecer que não abordarei aqui a questão dos materiais (qual é o melhor, qual é o pior, onde comprar, se existe para download, etc.). Nas dicas, meu foco será a família, as pessoas envolvidas no homeschool. Por desimportante que possa parecer, se a família não está funcionando bem, há grandes chances de o seu homeschool fracassar.
Todavia, quem precisar de ajuda na seleção/avaliação dos materiais, ou precisar de algum auxílio mais pontual, sugiro duas possibilidades: ou o nosso curso Homeschooling 1.0, onde oferecemos todo o pass…