Pular para o conteúdo principal

Máscara de oxigênio

Muitos certamente já ouviram o conselho das comissárias de bordo: primeiro coloque a sua máscara de oxigênio, depois ajude os demais a colocarem as deles. O princípio é bastante claro: se você não garantir a sua própria vida, será inútil preocupar-se com a vida dos demais. Por curioso que possa parecer, a educação domiciliar parece-me muito com a situação sobre a qual nos advertem as comissárias. Ou, como dizem os Bluedorn (do Teaching the Trivium), o homeschooling salva duas gerações: a dos pais e a dos filhos, mas, primeiro, a dos pais.

Isso acontece porque, excetuando as raras famílias que têm condições de contratar professores paticulares, antes de pretender ensinar alguma coisa aos filhos, os pais precisam eles mesmos relembrar ou até aprender os conteúdos a serem tratados. Assim, por buscar uma educação melhor que a oferecida pelas instituições disponíveis, sejam elas públicas ou particulares, e buscando também uma educação melhor que a que eles próprios receberam, os pais acabam corrigindo falhas, preenchendo lacunas, vencendo dificuldades e aprendendo coisas que, de outra maneira, em geral, muito dificilmente o fariam. E é então que começa o "salvamento" da primeira geração, com a possibilidade da correção do trajeto educacional no qual fomos colocados antes mesmo que pudéssemos discernir se aquele era o melhor rumo para nossas vidas.

Mas quando falamos em educação domiciliar, não falamos meramente de conteúdos, como se a sala de aula fosse transferida para a sala de casa, mas falamos principalmente de exemplos. O fato de as crianças não mais saírem de casa para ir à escola e já não estarem sob a autoridade de um terceiro para o aprendizado de determinados conteúdos faz com que o tempo de convívio em casa ganhe novos contornos e significados. Passa-se a compreender mais profundamente a importância da coerência para o exercício da autoridade, para a manutenção da hierarquia familiar e, consequentemente, para o sucesso nos estudos: aquela criança que é cobrada sobre determinado comportamento é a mesma que verá se os próprios pais comportam-se ou não de acordo com aquilo que estabelecem como padrão para ela; casos de pais ao estilo "faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço" inevitavelmente minam sua própria autoridade, subvertem a estrutura familiar e comprometem o aprendizado de seus filhos. E este é, segundo me parece, um dos maiores perigos contra uma educação domiciliar bem sucedida.

O princípio em questão, em se tratando de exemplos, segue também o conselho das comissárias: coloque, primeiro, a sua máscara para depois poder ajudar os demais. Isto é, na prática cotidiana, o "colocar a sua máscara" significa, entre outras coisas, o seguinte: 
  • Você quer que seu filho goste de ler? Então leia. Leia com ele, leia para ele, mas, especialmente, leia sozinho, por si e para si. Diversifique os assuntos e os estilos disponíveis. Leiam ambos, pai e mãe;
  • Você quer que seu filho seja organizado? Então organize-se. Mostre para ele como organizar-se. Repita as explicações até que ele as internalize. Persista, consigo e com ele. Organizem-se ambos, pai e mãe;
  • Você quer que seu filho seja disciplinado? Então discipline-se. Tenha domínio próprio. Mostre como você não se entrega a todas as suas vontades. Ajude-o a fazer o mesmo. Diga 'não'. Mantenha a palavra. Disciplinem-se ambos, pai e mãe.
  • Você quer que seu filho seja perseverante? Então persevere. Insista. Não reclame. Não desista. Não postergue. Ajude-o a perseverar, a não reclamar, a não desistir, a não deixar para depois. Perseverem ambos, pai e mãe;
  • Você quer que seu filho seja respeitador? Então demonstre respeito. Seja gentil, amável, cortês. Elogie seu filho quando ele for respeitador e corrija-o quando não o for. Respeitem-se mutuamente, pai e mãe.
  • Você quer que seu filho coopere? Então coopere. Esforce-se por delegar e realizar fielmente as atividades da casa e da família. Mostre como quando alguém não faz a sua parte, uma outra pessoa ficará sobrecarregada. Cooperem entre si, pai e mãe; 
  • Você quer que seu filho seja santo, piedoso? Então santifique-se. Ore com ele, ore por ele, mas, especialmente, ore sozinho. Estabeleçam momentos de devoção familiar, além da frequência à igreja. Santifiquem-se ambos, pai e mãe.
Em uma época como a nossa, de evidente declínio intelectual, moral e espiritual, onde o avião civilizacional perde altitude rápida e desgovernadamente, certamente não conseguiremos influir o suficiente para o salvamento de toda a tripulação, mas podemos fazer a nossa parte, empreendendo aquilo que está ao nosso alcance para salvarmos a nós mesmos e aos nossos filhos. Afinal, esta é a nossa parcela de responsabilidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

Dicas de planejamento de homeschooling

Muitas famílias homeschoolers já retornaram às atividades de estudos, mas há muitas que, assim como nós, por diferentes razões, espicharam um pouco mais as férias. Assim, apesar da época já um tanto adiantada, resolvi compilar aqui algumas dicas para quem quer fazer um bom planejamento de estudos para este ano mas tem encontrado alguma dificuldade ou simplesmente não tem experiência no assunto.
Antes, no entanto, de passar às dicas propriamente ditas, convém esclarecer que não abordarei aqui a questão dos materiais (qual é o melhor, qual é o pior, onde comprar, se existe para download, etc.). Nas dicas, meu foco será a família, as pessoas envolvidas no homeschool. Por desimportante que possa parecer, se a família não está funcionando bem, há grandes chances de o seu homeschool fracassar.
Todavia, quem precisar de ajuda na seleção/avaliação dos materiais, ou precisar de algum auxílio mais pontual, sugiro duas possibilidades: ou o nosso curso Homeschooling 1.0, onde oferecemos todo o pass…