quarta-feira, 24 de julho de 2013

Uma questão de saneamento mental básico (1)

Há poucos dias tomei conhecimento da recente entrevista de uma mestre em educação da Unicamp através de um dos grupos de homeschooling de que participo. Como o título interessou-me, "Alfabetização: letra bastão tende a substituir letra de mão", inclusive pela ausência das clássicas expressões "letra de forma" e "letra cursiva", resolvi ler a entrevista.

Para minha "surpresa", já na introdução o carrossel de bobagens começou a girar e não demorou para que ficasse claro que o assunto menos abordado era a questão do tipo de letra a ser adotado ou abadonado nas escolas. 

Inicialmente achei por bem incluir meus comentários logo após alguns trechos da entrevista, os quais havia transcrito abaixo, para deixar a crítica mais clara e evitar objeções do tipo "mas ela não disse isso", "você não entendeu direito", etc. No entanto, como a própria entrevista é longa e, portanto, a entrevista comentada seria mais longa ainda, resolvi abordar as questões levantadas pela professora em posts distintos, organizados por temas, caso contrário, o texto integral ficaria muito, muito grande e cansativo. Assim, sugiro a leitura da entrevista (linkada acima) e depois a leitura do meu post.


Alfabetização? 
Fonema e letra vs. palavra e contexto

Não demora a se explicitar, na entrevista, o papagaiar ideológico que faz o coraçãozinho da maioria dos educadores brasileiros bater mais forte: a criança deve "ler" o seu "mundo", o seu contexto, o seu espaço social, mas numa tal "leitura" a última coisa que importa é o alfabeto. Sim, segundo a professora, o último reconhecimento linguístico que a criança faz no processo de alfabetização é o do alfabeto! E como é que se pode ensinar uma pessoa a ler sem que se ensine o alfabeto? Ora, não se trata de ler coisa alguma de fato, mas apenas de "ler" metaforicamente, criativamente, "construtivamente", captando "a função social" da palavra no contexto. Ou seja, as palavras devem ser todas unívocas, dotadas de um único significado, o qual é definido pelo... professor! É uma pena que no mundo real a maioria das palavras seja dotada de uma multiplicidade de usos possíveis, mas aí é pedir demais para os "agentes sociais".

Na prática, trata-se, em miúdos, da substituição do método fônico pelo método ideovisual: enquanto o primeiro, adotado pela esmagadora maioria dos países do mundo, inicia a criança a partir da identificação dos sons de cada uma das letras e, então, vai aumentando de complexidade pela formação das sílabas e, finalmente, das palavras, o segundo parte da identificação visual da palavra inteira. Assim, em lugar de capacitar a criança a ler qualquer palavra, mesmo as que não fazem parte do seu contexto e lhe são desconhecidas, expandindo de fato o seu "mundo", a proposta de Paulo Freire reduz a criança a um macaquinho de laboratório, capaz somente de identificar aquelas palavras que ela já viu e já conhece. O método ideovisual, sob o pretexto da "função social", cerceia os horizontes da criança, pois enraíza sua memória sobre aquelas palavras pertencentes ao seu contexto, enquanto o método fônico, perceptível analogamente até mesmo no modo como se elabora o vocabulário infantil (primeiro aprendendo os sons das palavras para depois compreender os seus usos e, por último, a sua grafia) e no modo como surgiu a escrita na história (depois de milênios de tradição oral e, portanto, de amplo desenvolvimento da capacidade memorativa a partir dos sons, surgem as primeiras tentativas de códigos visuais de comunicação), dá verdadeira autonomia à criança.


Por outro lado, os defensores de uma tal inversão metodológica são rápidos em cercarem-se dos mais diferentes recursos retóricos. Expressões como "apreensão do todo", "integralidade", "holismo" e até "anti-cartesianismo" são usadas o tempo todo, sem, no entanto, comprovarem coisa alguma, legítimas flatus vocis. Pretende-se simplesmente, por meio de um repertório de palavras que soam agradáveis aos ouvidos new age dos nossos contemporâneos, negar a própria estrutura da realidade: afirmar que uma criança possa ser alfabetizada reconhecendo palavras inteiras, mas não as suas letras e, menos ainda, o som de cada letra, faz tanto sentido quanto a história do Benjamin Button: pura ficção. Querem ver? Transponham a proposta de alfabetização de Paulo Freire para a matemática e mostre uma soma qualquer, algo como 7 + 8 = 15, para a criança e peça para que ela memorize, afinal, 7 + 8 sempre será 15. Tudo certo? Aparentemente, sim. Exceto pelo fato de que a criança não sabe quanto é 7, nem 8 e muito menos 15, sem falar nos sinais de + e de =. Em outras palavras, a menos que a criança aprenda cada item da soma separadamente e em seus diferentes usos, ao ver algo como 8 + 7 = 15 ou 15 = 8 + 7 a criança estará em sérios apuros. 

Ok, sempre há quem implique com exemplos extraídos da matemática. Mas pense, então, em termos de biologia. Que tipo de compreensão se pretende oferecer à criança explicando-lhe a importância e o funcionamento do coração sem que ela saiba sequer a composição de uma célula? Por mais boa vontade que se tenha, uma explicação desse tipo encontrará obstáculos intransponíveis na mente da criança, pois há muita informação pressuposta, informação que é condição de possibilidade da verdadeira compreensão sobre o que é e como funciona o coração. E o mesmo se dá com o aprendizado da língua.

Para encerrar o post, vamos ainda à questão do "contexto" de alfabetização. Por "contexto" a professora se refere àqueles conteúdos que fazem parte do mundo da criança, trazidos de casa, enquanto é tomado como "artificial" (e, portanto, nocivo) tudo aquilo que não compõe imediatamente o universo de origem do aluno, tal como cartilhas, folhas xerocadas e demais recursos materiais típicos de sala de aula. Ou seja, estipulando o nível ao rés do chão presume-se a pobreza de vivências infantis e pretende-se a manutenção da mesma condição, fingindo uma "valorização" do seu ambiente. Ora, os séculos mostram precisamente o contrário do que defende a professora (em eco ao "messias" Paulo Freire): quanto mais ricos e amplos forem os recursos, tanto em termos de materiais, mas especialmente em termos de conteúdos, maior se tornará a capacidade compreensiva da criança, sua desenvoltura diante dos diferentes estímulos, pois seu mundo imaginário, que é a base mesma da inteligência, será maior. 

Agora imagine, por exemplo, uma criança filha de pescadores analfabetos e "alfabetizada" de acordo com "o novo paradigma" defendido pela professora e proposto por Paulo Freire: paciência: vamos mantê-la "contextualizada", aprendendo as palavras escritas nas embalagens de anzóis, linhas de nylon e iscas. Não estou defendendo aqui uma desvalorização da realidade da criança, mas, antes, que não se pode desejar prendê-la, restringi-la à própria realidade sob ares de "valorização" do seu repertório pessoal. Isso é falso, mesquinho e atrofiante. Além disso, é extremamente intrigante que a professora pretenda que alguma forma de manifestação cultural não seja artificial, como se livros, cartilhas e cópias fossem produtos da natureza, facilmente encontráveis em hortas, plantações, árvores e feiras. Mesmo o bilhetinho escrito com um toco de lápis no verso de um papel de embrulho é artificial, pois é produção humana, não obra da "mãe natureza". 

Enfim, nada além de muita retórica a serviço da ideologia mais emburrecedora que já se viu neste país. E seus frutos são abundantes: estupidez, ignorância, desnorteamento e imoralidade.

10 comentários:

  1. Ótimo texto.

    Aproveito para parabenizá-la pelo seu blog, o qual, ainda que muito silenciosa e discretamente, venho acompanhando desde o início.

    Obrigado pela dedicação à educação. A família brasileira agradece.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigada, Luiz.
    Seu comentário me alegra e anima.
    Que Deus nos ajude!

    ResponderExcluir
  3. Minha mãe foi professora primária na roça nos anos 60 e teve um choque há poucos anos quando deu aulinhas de reforço numa creche. Infelizmente ela não pode continuar por problemas de saúde, mas ela pode constatar que mesmo crianças extremamente prejudicadas e atrasadas por essa corja de "educadores geniais", respondem super bem a boa e velha cartilha. Justamente por isso que a cartilha é tão abominada por esses "educadores modernos" pois a cartilha desmascara rapidamente essa máfia através do resultado. É só comparar.

    ResponderExcluir
  4. Olá, João!
    Pura verdade isso que você diz. Ano passado utilizei um método misto com minha filha: exercícios elaborados por mim + leituras em 2 horários diferentes do dia +caligrafia + a cartilha "Caminho Suave". Em pouquíssimo tempo ela estava alfabetizada.
    A fuga da objetividade dos conteúdos tradicionais é prova, não da inovação, mas da incompetência desse pessoal.
    Obrigada pela visita e pelo seu comentário!

    ResponderExcluir
  5. Caloura na área.
    Conheci Olavo de Carvalho a pouquíssimo tempo e desde então minha mente vem se abrindo a uma nova gama de conhecimentos e questionamentos que até então eu não possuía. Frequentei escola pública e universidade federal, então daí podem concluir o tipo de formação que tive durante muitos anos. Mas enfim, estou feliz em poder ter acesso a esse tipo de informação agora e ao mesmo tempo triste ao perceber que somos tão poucos. Tenho duas filhas gêmeas de 3 anos e meio que começaram a frequentar a creche esse ano pois tinha decidido começar a estudar para concursos públicos, porém agora minha cabeça tem dado um nó. Confesso que estou muito confusa, a todo momento pensando em tirá-las da creche e parar de estudar, mas ao mesmo tempo tem a questão da renda. Só meu marido trabalhando a coisa fica bem apertada e não sei se eu conseguiria ficar dentro de casa por tantos anos sem enlouquecer. haha Às vezes penso então em continuar estudando para passar logo num concurso e assim poder pagar uma escola particular que vá mais ao encontro de nossos valores. Enfim, estou bem confusa, mas disposta a pensar sobre essas questões e decidir sobre o que será melhor para elas. Aliás, já vou encomendar o Teaching the Trivium, achei bem interessante. De qualquer forma, obrigada pela sua dedicação em escrever e disponibilizar seus textos. Têm ajudado muito nesse momento em que me sinto meio como um peixe fora d´'agua e sem pessoas para discutir sobre esse assunto ao meu redor. Moro em Florianópolis. Você conhece algum grupo por aqui que se dedique a estudar e debater esse assunto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Daniela! Seja bem-vinda!
      Veja, cada caso é um caso, cada família precisa encontrar o arranja que mais a faz feliz.
      Eu comecei neste caminho de mãe em tempo integral quando percebi que conseguiria suportar qualquer fracasso e não realização em termos de trabalho e de finanças, mas que jamais suportaria o fracasso em minha família. Trabalho e dinheiro, na minha opinião, são coisas que podemos buscar em qualquer idade, mas relacionamento familiar é coisa que depende do dia-a-dia, que não pode ser deixado para daqui 1, 5 ou 10 anos quando se tem filhos. Mas, como disse, essa é a minha experiência, a minha compreensão e a minha escolha. Não penso que todos devam se adequar a isso.
      De todo modo, acredito que, sejam lá quais forem os rumos que pretendas dar, as coisas mais importantes são: não agir contra a própria consciência e não agir autonomamente, desconsiderando o que o seu marido pensa, pois com isso vocês dividiriam e enfraqueceriam a família. Quanto mais unidos vocês estiverem, melhor será para todos, especialmente para as crianças.
      Quanto a conhecer pessoas em Florianópolis, não conheço ninguém. Mas falarei com umas mães olavettes e homeschoolers que são minhas amigas e te aviso se souber de alguém ok? ;)
      Qualquer dúvida, me escreva. Pode ser que demore, mas eu respondo.
      Um abraço e que Deus abençoe a vocês!

      Excluir
    2. Desculpe os erros. Escrevo enquanto amamento, converso com as crianças!... só falta tocar instrumento musical! =D

      Excluir
    3. Olá Camila! Muito obrigada por arranjar um tempinho e ainda responder minha msg!
      Eu e meu marido temos conversado bastante a respeito e jamais tomaria uma decisão sem um consenso. Estamos quase decididos a tirá-las do período integral e deixá-las somente meio-período ou quem sabe nem isso. Assim como está não não estamos satisfeitos. Ontem ainda me decepcionei mais quando cheguei na salinha e me deparei com um cartaz sobre uma atividade que elas tinham feito. Na folha tinha a estória das bonecas Abayomi, contando que eram utilizadas como amuletos etc. Eis aqui as bonequinhas; http://ceafro.blogspot.com.br/2010/11/bonecas-negras-artesanais-abayomi.html
      Sinceramente, com tanto tema pra trabalharem com as crianças, justo esse tipo de coisa?
      Já fiquei me questionando sobre o que mais eles poderiam estar passando pra elas que eu nem faço ideia etc.
      Enfim, por essas e outras, prefiro elas mais perto de nós e do que nós temos pra passar pra elas do que de terceiros.
      Um abraço e que Deus te dê forças e saúde pra essa etapa que não é moleza! ;)

      Excluir
  6. A propósito, não sabia que ainda publicavam a cartilha "Caminha Suave"! Fui alfabetizada em casa com ela antes de ir para escola. Que legal! Bom saber! ;D

    ResponderExcluir
  7. "Branca Alves concedeu uma entrevista para um jornal de grande circulação em São Paulo justamente dois anos após a Caminho Suave ser rejeitada pelo MEC. “Eles (o governo, o MEC e o Guia do Livro Didático, o Conselho Nacional de Educação, as secretarias de Educação etc.) estão projetando, quase decretando, que os alunos não usem mais cartilhas. Mas só ao final de várias décadas é que vai se chegar à conclusão se o construtivismo dá ou não resultados”, disse a educadora sobre o fim da utilização de seus exemplares."

    http://www.infoescola.com/pedagogia/cartilha-caminho-suave/

    ResponderExcluir