Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2013

Revolução cultural para baixinhos

Iludem-se aqueles que imaginam que as cartilhas e livros governamentais são os únicos materiais nocivos dos quais nossas crianças precisam ser protegidas. Sim, neles há toda sorte de erros, de concepções ideológicas travestidas de "fatos", estímulos às drogas, ao desenvolvimento prematuro da sexualidade, entre outras coisas. No entanto, nossos adversários são bem mais espertos do que isso e seus braços são bem mais longos também.

Não raras vezes vejo pais e mães comemorando o interesse dos filhos em livrinhos infantis. Dizem, aliviados, que os filhos gostam de ler, que pegaram gosto pela coisa, que serão estudiosos e por aí vai. O problema é que poucas vezes os pais têm o mesmo entusiasmo para averiguar o tipo de conteúdo presente nos livrinhos e a respectiva mensagem que eles transmitem. Tal imprudência é mais ou menos o mesmo que deixar a criança entregue à TV, alegando que, afinal de contas, trata-se de um inofensivo canal de TV a cabo infantil.

Os engenheiros sociais sabem…

Teaching the Trivium

Em resposta ao Sidney e, acredito, também a outros leitores, cumpro o prometido e compartilho mais um pouco do Teaching the Trivium com vocês.

Antes, porém, de entrar nas particularidades de cada uma das etapas do método (gramática, lógica e retórica), acredito ser importante ilustrar melhor cada uma das etapas, afinal, o Teaching não traz currículo, mas vasta bibliografia para cada um dos temas abordados e preciosas dicas e esclarecimentos metodológicos. É importante ressaltar também que cada uma das etapas não diz respeito exclusivamente ao tema que lhe dá nome. Trata-se antes, no caso específico do Teaching, de um modo de abordar os diferentes objetos de estudo. 
Assim, a etapa gramatical volta-se sobre o "o que, quem, quando ou onde", isto é, sobre os fatos essenciais a respeito das coisas; a etapa lógica volta-se sobre o "porquê", isto é, passa-se a relacionar os fatos essenciais entre si e a compreender as regras dos seus usos e funcionamentos; por último, a et…

Notas rápidas

Comunidade de pedófilos
Aos que não acompanham o perfil do blog no facebook, ontem à noite fiz um pedido aos membros da comunidade (e também aos meus amigos no perfil pessoal) para que me ajudassem a denunciar e derrubar uma página de apologia à pedofilia (que então recebia o nome politicamente correto de Pedossexuais unidos). Meu amigo Jarbas Aragão, lá do Gospel Prime, rapidamente lançou a denúncia no site. Hoje, ao final da manhã, a página já estava fora do ar. Além disso, muitas outras pessoas além de mim também fizeram denúncia à Polícia Federal. Agora é aguardar para que não apenas a página fique fora do ar, mas o responsável por ela vá para a cadeia. No entanto, meus leitores, uma coisa deixou-me ainda mais preocupada: enquanto ontem à noite a maldita página tinha cerca de 90 "curtidores", hoje pela manhã já chegavam a 170! Quase o dobro! Ou seja, a doença psíquica e espiritual alastra-se rapidíssimamente em dias como os nossos, sob o incentivo da mídia, dos governos &…

A bússula de Puggina e a biruta de Sobbotka

Por ocasião da visita do Papa ao Brasil, o programa de debate de maior repercussão do Rio Grande do Sul, o Conversas Cruzadas, fez uma edição a este respeito. Dentre os participantes encontravam-se o escritor Percival Puggina e o professor Emil Sobbotka, além de dois padres.
Para quem acompanha os textos de Puggina, não surpreende que a melhor, mais profunda e mais correta defesa tanto da fé cristã quanto da Igreja Católica tenha sido por ele apresentada. Mas em um programa em que não faltaram desde os clichês da moda (como a necessidade de a Igreja "se modernizar") até abobrinhas totalmente secundárias, Puggina foi inspirado ao conseguir, em tão pouco tempo, condensar muito sobre a genuína fé cristã em uma única imagem. 
Puggina comparou a fé cristã com uma bússula, a qual, como é de se esperar, aponta sempre para o Norte, pouco importando onde venhamos a estar. Já os desejos de "modernização" que o mundo tanto reivindica são como a biruta, que muda de direção ao sa…

Uma questão de saneamento mental básico (1)

Há poucos dias tomei conhecimento da recente entrevista de uma mestre em educação da Unicamp através de um dos grupos de homeschooling de que participo. Como o título interessou-me, "Alfabetização: letra bastão tende a substituir letra de mão", inclusive pela ausência das clássicas expressões "letra de forma" e "letra cursiva", resolvi ler a entrevista.
Para minha "surpresa", já na introdução o carrossel de bobagens começou a girar e não demorou para que ficasse claro que o assunto menos abordado era a questão do tipo de letra a ser adotado ou abadonado nas escolas. 

Inicialmente achei por bem incluir meus comentários logo após alguns trechos da entrevista, os quais havia transcrito abaixo, para deixar a crítica mais clara e evitar objeções do tipo "mas ela não disse isso", "você não entendeu direito", etc. No entanto, como a própria entrevista é longa e, portanto, a entrevista comentada seria mais longa ainda, resolvi abordar …

Agenda - documentário urgente

Se eu pudesse sugerir uma única coisa aos leitores deste blog, minha sugestão seria: reserve uma hora e meia do seu tempo para assistir, junto com o seu cônjuge, o documentário abaixo.
"E por quê?", talvez você me pergunte. Porque ele junta todas (eu disse todas) as peças do quebra-cabeçadaquilo que temos vivido contemporaneamente. Sim, trata-se de um documentário voltado para a realidade norte-americana, mas que, no entanto, pode ser tranquilamente transposto para a nossa realidade nacional, feitas as devidas reservas históricas.

Aos mais incrédulos, já adianto: o documentário cita diversas referências bibliográficas, além dos nomes e referências biográficas dos seus participantes. Há também um site sobre o documentário, com links e possibilidade de downloads dos esquemas apresentados. Ou seja, quem quiser averiguar tim-tim por tim-tim do que ali é dito, tem como. Então, sem mimimi. 

Aos que posteriormente quiserem discutir sobre, eis-me aqui: basta deixar um comentário ou man…

A UNESCO saiu de vez do armário

Não estava em meus planos voltar a escrever aqui no blog, depois de tantos dias ausente, sobre esse assunto, pois tenho coisa mais interessante para falar. No entanto, uma notícia de tamanho absurdo não pode passar em brancas nuvens nem ficar restrita ao espaço do facebook.
O fato, meus caros, é que a UNESCO, aquela mesma Organização amplamente citada no livro Maquiavel Pedagogo como uma das responsáveis pela destruição da educação mundial e pela instauração das políticas de sexualização da infância, entre outras pérolas, agora, assumindo de vez e para não deixar mais nenhuma dúvida quanto aos seus comprometimentos ideológicos, resolveu eleger os escritos de Ernesto "Che" Guevara, o conhecido carnicero de la cabaña, como patrimônio da humanidade no Programa Memória do Mundo.
Para quem duvida, leia a notícia integral publicada pela Folha e copiada aqui: A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) incluiu, em cerimônia realizada nesta sexta-feira em…

Conselhos a uma futura mamãe (2)

Este é um email que troquei com uma grande amiga na última quinta-feira. Resolvi compartilhá-lo aqui, com a autorização dela, pois pode ser útil a outras mamães e futuras mamães.

Querida amiga,
Muito, muito obrigada pela lembrança, pelo carinho de sempre! Não respondi antes por saber da tua correria e por não querer escrever uma respostinha rápida, apressada pelas crianças ou pelas demandas da casa. Assim, hoje, com a bendita greve (bendita porque o Gustavo está em casa com a gente), posso sentar e escrever com calma.
Querida, louvado seja Deus, pela vidinha que tens aí dentro! Imagino que já tenhas agora a confirmação oficial! Eu vinha orando por isso e fico feliz que Deus tenha respondido em tão pouco tempo o desejo de tantos corações!
Amiga, sei que às vezes, em meio às agitações e transtornos do dia-a-dia, nos frustramos com as coisas e conosco. Mas veja: queres situação mais "contramão" do que a gravidez de Maria e o nascimento de Jesus?: um José que autorizaria o…

Duas armadilhas desfeitas

Semanas atrás eu e Chloe fomos ao shopping comprar um casaco novo para ela. Chegando lá, fomos à Renner pesquisar os preços. Não demorou muito para que a atmosfera da loja começasse a envolvê-la: as muitas luzes, os muitos espelhos, as muitas roupas, os muitos aromas e a música altíssima e acelarada fizeram com que minha filha começasse a se mexer de um lado para o outro feito uma baratinha tonta, querendo olhar tudo, tocar tudo, provar tudo. Foi então que calmamente me abaixei e falei com ela. Chamei a sua atenção para a música, para os espelhos, para os cheiros, para o modo como a maioria das outras pessoas se comportavam e perguntei se ela tinha reparado como nada daquilo era natural, como nada parecia normal, como as pessoas pareciam meio fora de si, olhando, olhando, andando, andando, comprando, comprando... Ela, surpreendida com o fato, concordou comigo. Disse-lhe, então, que tudo aquilo era de propósito: tudo era mais colorido, mais bonito, mais perfumado e mais acelerado justa…

O mito da socialização

Um dos argumentos mais frequentemente defendidos por professores, psicólogos, pais e familiares contrários ao homeschooling não diz respeito à qualidade de ensino, mas ao "fato" de que as crianças precisam se socializar, precisam conviver com outras crianças, precisam aprender a se relacionar, a lidar com as diferenças, etc.E quanto mais as famílias encolhem, restringindo a prole a uma única criança, mais parece fazer sentido um tal argumento. No entanto, algumas coisas me fazem duvidar da boa-intenção por trás da socialização.
É importante ter amigos, é importante conviver com outras crianças, todavia a infância não é um fim em si mesmo. É, eu sei, os românticos de plantão acabam de desmaiar, mas a verdade é que, tão necessário quanto brincar é o aprender a ter responsabilidades. Passa-se a maior parte da vida na idade adulta e é para ela que a criança deve ser preparada. Mas como dar-se-á uma tal preparação se a criança convive majoritariamente com iguais, com outras crianç…

Casos recentes de um (des)caso antigo

Durante a presente semana recebi duas amostras concretas da situação educacional em nosso país. A primeira delas veio na quarta, com o depoimento da Ana Caroline, uma amiga e professora de história da rede pública de Santa Catarina. Como vocês verão abaixo, desde 1986 os alunos de lá não assistem aulas de história, mas, sim, recebem doutrinação esquerdista massiva. A segunda amostra veio ontem à noite e retrata a situação do ensino da língua portuguesa no Distrito Federal. Vejam vocês mesmos e depois me digam se a única saída para os nossos filhos não é a realmente a educação domiciliar. "Hoje à tarde fui convidada a uma reunião de professores de escolas estaduais com o objetivo de pensar e repensar a Proposta Curricular - PC. Ao perceber o andamento da conversa, perguntei à preletora:
- Então estamos admitindo que a Proposta Curricular e a ação nas escolas está sendo pensada e planejada desde 1986 sob as idéias de Marx e Gramsci?
Ela me respondeu:
- Sim. Exatamente!
Conti…

4th of July

Hoje incrementamos nossa aulinha de inglês com um pouco de história. Como não poderia deixar de ser, além das atividades corriqueiras, incluí uma breve explicação sobre o 4 de Julho de 1776 e também outras três folhinhas de exercícios extras inspirados no Independence Day.
As atividades especiais foram baixadas do site Education.com , que já foi listado em algum daqueles apanhados de links que faço aos domingos. Se você se cadastrar no site, terá direito ao download de 10 atividades gratuitas por mês. Acima disso é preciso assinatura.
Aqui está o link para a página específica das atividades sobre 4th July: http://www.education.com/worksheets/national-symbols/ As que escolhi são Word Search (para aumentar o vocabulário), Dot to Dot Letters (para colorir) e um desenho de um desfile explicando o motivo da celebração e também mostrando a bandeira norte-americana original, aquela com somente 13 estrelas.
Confira! Ainda dá tempo de imprimir e ensinar aos pequenos!






O Cordeiro É o Leão

Lendo "As crônicas de Nárnia" para as crianças, que é de autoria do autor cristão C.S. Lewis, vejo o quanto até mesmo a literatura infanto-juvenil cristã tornou-se uma água com açúcar, que pouco desperta para a virtude, assim como pouco estimula o combate à maldade.

Vejam só que diferença!: "Os dois reis e as duas rainhas governaram Nárnia, e o reinado foi longo e feliz. A princípio gastaram grande parte do tempo destruindo o que restava do reinado da Feiticeira Branca. Durante muito tempo ainda, chegaram notícias de que espíritos maus se escondiam nos recantos desconhecidos da floresta. Uma emboscada aqui, uma morte ali, um lobisomem que aparecia, uma bruxa que dava o ar de sua desgraça... Até que toda aquela raça imunda foi eliminada. E os reis e as rainhas fizeram leis justas, mantiveram a paz, não permitiram que as árvores fossem derrubadas sem necessidade, libertaram os anõezinhos e os sátiros da tirania escolar (...)" Em qual livrinho cristão de…

Desmascarando o comunismo para as crianças

Participo de um grupo interessante no facebook, o Compartilhar Conhecimento. Foi lá, se não me engano, onde vi o post do videozinho a seguir. Chama-se "Como desestabilizar uma nação Chicken Little 1943".


https://www.youtube.com/watch?v=5Xgz0ieFyQk
Trata-se de um desenho animado interessantíssimo, da Walt Disney, feito em 1943 (em plena guerra!), com quase 9 minutos de duração.
Claro, só faz sentido exibir o desenho para as crianças se a questão do comunismo ou da política em geral fizerem parte das conversas da família, o que é o nosso caso. E, sendo este também o seu caso, é importante considerar se as crianças já possuem idade e maturidade mínimas para entender um pouco do que está em jogo no desenho.
Se nada disso aplicar-se à circunstância de sua família, então assista você, mamãe ou papai, ao desenho. A capacidade de síntese do autor da história é muito, muito boa, bem como o didatismo com que ele explica o passo-a-passo da destruição da sociedade. 
Dentre as muitas boas sac…