Pular para o conteúdo principal

Dica de livro para crianças maiores

De uns tempos para cá, além de lermos diariamente com as crianças diferentes obras e em diferentes momentos, começamos (especialmente o Gustavo) a pedir para que a Chloe lesse em voz alta. Ela já lê bastante todos os dias e por interesse próprio, mas percebemos que era chegada a hora de incentivá-la na aquisição de uma melhor dicção. Assim, hoje, enquanto eu preparava nosso almoço, pedi que Chloe lesse para mim um livro que ela pediu emprestado ao nosso pastor. O livro chama-se "A mancha" e explica que maneira muito acessível, mas não superficial, a questão do pecado. Apesar de ter uma ilustração a cada duas folhas, não é um livro pequeno para crianças entre 6 e 7 anos. E por ser bem encadeado e ilustrado, instiga a criança a prosseguir na leitura.

 
Conversamos bastante ao longo da história, esclarecendo alguns pontos, corrigindo a pronúncia especialmente quanto à pontuação e citando exemplos de situações com "a mancha". O final da história não poderia ser diferente: traz a cruz e o perdão de Jesus como a única solução total para a mancha.

Recomendo bastante aos pais cristãos que desejam aprofundar a consciência moral de suas crianças e também aos professores de escolas bíblicas dominicais.

Deixo aqui dois dos meus trechinhos favoritos:
"E tem até uns camaradas que ficam tentando jogar as manchas deles pra cima das outras pessoas. Acho que todos nós já tentamos jogar nossa mancha para cima de alguém, ou alguém já tentou jogar a mancha dele em cima da gente. A gente percebe isto quando quer culpar os outros por causa de nossas manchas. Culpamos o mundo, a sociedade, a situação econômica, nosso país, o professor da escola, os pais. Só que 'jogar o lixo' no quintal do vizinho não resolve o nosso problema. Pior: faz crescer mais ainda a nossa mancha.

Tentei outras soluções para me livrar da minha mancha. Perguntei para um psicólogo. Ele me disse que não existe mancha alguma. Falou que os meus pais é que foram os culpados pelas manchas de minha vida. Disse também que era só botar para funcionar a minha "força interior" que aí tudo ficaria numa boa... O psicólogo falou bonito pra caramba, mas a mancha ainda ficou lá. Todas as tentativas de acabar com a mancha não deram em nada. Tentei de tudo, esfreguei de todo jeito, mas a mancha continuava lá. Caí na tristeza..."
E não se preocupem. Não é um livro "pesado demais" nem "difícil demais" para uma criança dessa faixa etária. Nós é que, em geral, nos acostumamos a nivelá-los por baixo, de acordo com a época leviana em que vivemos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto …

A mulher artificial e a luta pela mulher verdadeira

Dias atrás, uma aluna marcou-me em um post de uma entrevista da feminista Elisabeth Batinder. Eu não a conhecia e, apesar dos visíveis problemas em sua argumentação, fiz o esforço de ouvi-la até o fim. Antecipo que a entrevista completa renderia páginas e páginas de refutação, pois está repleta de falácias, mas circunscrevo aqui minhas objeções à tese, apresentada logo ao início e que me parece fundamental, de que não existe instinto materno.
Batinder começa afirmando seu prazer em observar os pais e mães às voltas com os seus filhos nos parquinhos europeus, e que por conta desse hábito, acabou percebendo nos rostos das mães o quanto elas parecem entediadas e alienadas naquele mundo materno. Até aí, nada de errado, afinal, quantos de nós já não vimos algo assim ou não nos sentimos assim? No entanto, após um salto argumentativo olímpico, ela conclui, com base em tal observação, que, obviamente, a maternidade não é uma coisa natural para a mulher como o é para as macacas, de modo que, re…

Dicas de planejamento de homeschooling

Muitas famílias homeschoolers já retornaram às atividades de estudos, mas há muitas que, assim como nós, por diferentes razões, espicharam um pouco mais as férias. Assim, apesar da época já um tanto adiantada, resolvi compilar aqui algumas dicas para quem quer fazer um bom planejamento de estudos para este ano mas tem encontrado alguma dificuldade ou simplesmente não tem experiência no assunto.
Antes, no entanto, de passar às dicas propriamente ditas, convém esclarecer que não abordarei aqui a questão dos materiais (qual é o melhor, qual é o pior, onde comprar, se existe para download, etc.). Nas dicas, meu foco será a família, as pessoas envolvidas no homeschool. Por desimportante que possa parecer, se a família não está funcionando bem, há grandes chances de o seu homeschool fracassar.
Todavia, quem precisar de ajuda na seleção/avaliação dos materiais, ou precisar de algum auxílio mais pontual, sugiro duas possibilidades: ou o nosso curso Homeschooling 1.0, onde oferecemos todo o pass…