segunda-feira, 20 de maio de 2013

O melhor trabalho do mundo

Quando me propus, com o aval de meu marido, a iniciar as atividades de educação domiciliar complementares à escola, em pouquíssimo tempo descobri-me, como diz o ditado, "em um mato sem cachorro".

Diferentemente dos norte-americanos, que são referência mundial no assunto, possuindo dezenas, ou até centenas, de modelos, metodologias e propostas curriculares, nós, aqui no Brasil, precisamos reinventar a roda, pois não há uma proposta curricular detalhada voltada ao ensino nos lares.

E agravando um pouco a minha situação particular, não possuo formação pedagógica (embora hoje em dia eu suspeite da maioria das formações "superiores" na área das humanas), de modo que a sensação de insegurança vai e volta quando preciso explicar, por exemplo, subtração de centena ou a diferença entre os acentos circunflexo e agudo, pois nunca tenho certeza se estou adotando o método mais adequado.

No entanto, apesar das dificuldades, não desisti da missão, mas prossegui lendo (especialmente blogs e sites de mães cristãs norte-americanas praticamentes do ensino doméstico), pesquisando, falando com pessoas que estão mais familiarizadas com o assunto do que eu e, com o tempo, fui percebendo que, mais que uma questão meramente curricular, de conteúdos, o homeschooling é também e principalmente uma mais abrangente compreensão do próprio conceito de educação.

Ao trazer para dentro de casa e ter sob os meus cuidados a alfabetização, a caligrafia, as noções gerais de matemática, os cálculos, fui percebendo que não apenas o que eu ensinava era (e é) importante, mas também como eu ensinava e quando. Ou seja, no ambiente doméstico, onde não se tem um espaço físico exclusivo para a realização das atividades, onde os relacionamentos não têm um limite de horário e de contexto, quando se tem outra criança, de outra faixa etária, ao redor, e quando muitas outras demandas paralelas precisam ser administradas e sanadas, o conceito de educação adquiriu uma outra proporção, conectando-se a muitas outras esferas e atividades que eu antes julgava alheias à questão. Estabeleceu-se uma tal integração das diferentes partes e momentos da vida como eu, até hoje, jamais havia experimentado.

Percebi que a matemática não é ensinada apenas nos exercícios, mas também no relógio, no microondas, no super-mercado, na hora de fazer e servir a comida. Percebi que o português perpassa toda a nossa vida, e chama especial atenção sobre si quando estamos distraídos e de papo-furado. Compreendi que paciência, persistência e dedicação não são coisas para se fazer somente quando o lápis e o papel estiverem à mão, mas também na hora de arrumar a cama, de escovar os dentes, de secar a louça, de pentear o cabelo. Compreendi que reclamações gratuitas são como goteiras e por isso não podem, de forma alguma, ser aceitas, em ninguém. Entendi que disciplina não é um "programa bônus" que Deus colocou na alma de alguns sortudos, mas é um exercício que, antes de mais ninguém, eu preciso exercer comigo mesma, para servir de exemplo e de estímulo às crianças. Soube, então, que virtudes como obediência, fé, coerência, gratidão, humildade, cortesia e coragem realmente só fazem sentido quando personificados em gente de carne e osso, e que é melhor ainda quando essa "gente" é o pai e a mãe da gente. =)

Enfim, apesar de ainda não ofertar às minhas crianças uma educação exclusivamente domiciliar, de ainda não ter encontrado e/ou elaborado uma grade curricular completa que seja boa de verdade, sei, agora, que o homeschooling é mais que uma mera transferência de ambientes e de tutores: é um modo de viver a vida em família onde a busca pelo constante aprimoramento é o alvo. Nós, como família, não temos somente o desejo, mas buscamos, de fato, apesar dos empecilhos e erros, o crescimento intelectual, moral e espiritual de todos os nossos membros e estamos nisso empenhados 24 horas por dia, para a glória de Deus. 

Desconheço trabalho mais abrangente e mais exigente que este, mas, a mim, parece-me não haver outro mais estimulante e recompensador.

11 comentários:

  1. Que belo texto, valiosa reflexão. Não tem mesmo melhor trabalho nesse mundo!

    ResponderExcluir
  2. Olá Camila!
    Parabéns pelo blog. Gosto muito de lê-lo!
    Este post descreveu perfeitamente a minha experiência.
    Deus lhe abençoe!

    ResponderExcluir
  3. Oi Cami, apesar da sugestão da ordem dos textos, já comecei lendo outros que fui encontrando. Muito bons mesmo, e por meio dos quais estou redescobrindo outras formas do saber. Deus te abençõe minha amiga!

    ResponderExcluir
  4. Camila, muitíssimo obrigada por compartilhar sua experiência conosco. Estou lendo todos os seus posts.
    Grande abraço,
    Marcela
    Goiânia-GO

    ResponderExcluir
  5. Riquíssima partilha!
    Obrigada, Camila. Estou lendo e anotando tudo que você postou até agora. Deus seja louvado por sua família e missão.

    Um beijo.

    ResponderExcluir